Opinião – A Caixa de Orações – Lisa Wingate – Chá das Cinco (Grupo Saída de Emergência)

Chancela: Chá das Cinco
Data 1ª Edição: 19/01/2023
ISBN: CAIXAPARIS
Nº de Páginas: 320
Dimensões: [160×230]mm
Encadernação: Capa Mole

Sinopse:

Uma jornada espiritual de descoberta e redenção

Quando Iola Poole morre na sua cama, aos 91 anos, deixa para trás uma casa repleta de segredos e de histórias para desvendar. E cabe a Tandi Reese, uma jovem mãe em dificuldades, em fuga de um passado perigoso e complicado, revelar a vida oculta desta mulher.

Embora as duas mulheres nunca se tenham conhecido, Tandi encontrou na casa da idosa um refúgio. No entanto, tudo muda quando descobre várias caixas de orações cuidadosamente decoradas, uma para cada ano, desde a juventude de Iola até aos seus últimos dias.

Escondida nessas caixas está a história de uma vida, escrita em pequenos pedaços aleatórios de papel – as esperanças, desejos, medos e pensamentos de uma mulher complexa que teve uma vida extraordinária, repleta de jornadas de fé e de observações sobre o amor. E a lição final contida na última caixa poderá mudar a vida de Tandi para sempre…

Opinião:

Quando vi que íamos ter mais um livro traduzido da Lisa Wingate fiquei logo com a certeza que era uma aposta ganha. Não me enganei. A escrita melodiosa da autora é única e leva-nos por caminhos difíceis, mas tão bons.
Esta obra é toda ela um hino à superação, à coragem e resiliência e à fé depositada em algo maior que a própria humanidade, sendo que nos cabe como leitores abraçar a narrativa e o desenvolvimento das personagens, enquanto desfrutamos de uma leitura maravilhosa.
Desde a primeira página que nos é impossível não amar a querida e tão lutadora Iola Poole, a idosa que deixa um legado extraordinário e cheio de segredos que necessitam ser contados. Cabe a Tandi, uma jovem mãe a criar dois filhos sozinha enquanto supera e cura uma adição a opiáceos após um acidente, desvendar e mostrar a todos quem era na realidade a jovem que se torna numa mulher extraordinária, Iola Poole e como tudo o que ela fez em vida e deixou escrito nas suas orações dentro de caixas guardadas se repercutiu no futuro de tanta gente.
Abordando aspetos de extrema importância social como a adição a substancias controladas, o controle patriarcal, racismo e superstições/crenças, Lisa Wingate consegue contar-nos ao ínfimo detalhe o que o poder da fé e da oração conseguem e para quem é crente como eu sou, temos apenas que acreditar em nós para mudarmos o nosso destino e contrariar algo que à partida já nos estaria no caminho. Nunca desistir, nunca baixar os braços e acreditar que o poder do amor que temos no coração é suficiente para movimentar montanhas.
Confesso que a meio da leitura tive alguns momentos de reflexão profunda, até porque me identifiquei com Tandi algumas vezes, no que ela permite por parte dos outros, nas suas inseguranças em relação à educação dos filhos, na sua coragem e determinação para mudar o seu percurso, e cheguei mesmo a odiar o facto de ela deixar que alguém que não ela lhe dissesse o que podia ou não fazer…mas logo em seguida, lia uma das orações de Iola e o coração sossegava.
Gostei mesmo mesmo muito deste livro, mexeu comigo, como já havia mexido o “Antes de Sermos Vossos” da mesma autora (e tenho aqui “O Livro dos Amigos Perdidos em lista de espera”) e leiam por favor, é uma leitura fluída com capítulos curtos e sem paragens e vale todo o tempo despendido na mesma.
Obrigado Grupo Saída de Emergência pelo exemplar fornecido e por me proporcionarem esta maravilha de leitura.

A Autora:

Lisa Wingate é uma antiga jornalista, oradora e autora de diversos romances bestsellers. As suas obras ganharam ou foram nomeadas para numerosos prémios, incluindo o Pat Conroy Southern Book Prize, o Oklahoma Book Award , o Carol Award, o Christy Award, o RT Reviewers’ Choice Award e o Goodreads Choice Award. Vive no Texas. Mais informações em lisawingate.com

Advertisement

Opinião – Mafalda Santos – Conta-me, Escuridão – Suma de Letras

Autor(a)Mafalda Santos

ISBN 9789897842184

Data de publicação Junho de 2021

Páginas 144

Sinopse:

Todos gostamos de histórias. Sejam de encantar, para dormir ou rir.
Mas não se deixe enganar: estes contos não são para dormir, muito menos para rir.
É provável que as personagens criadas por Mafalda Santos roubem o sono e invadam os sonhos em todo o seu explendor. E terror.
Desde trigémeas assassinas, a entidades assustadoras, passando por bruxas malévolas e magia.
Nestas páginas não há sossego, nem esperança, excepto na literatura portuguesa que está viva e de ótima saúde.

Opinião:

Mais uma das minhas prendas de Natal que não desiludiram. Um livro de contos de Terror (e horror), com uma criatividade e imaginação incríveis e que nos fazem devorar página atrás de página tal é a qualidade do que estamos a ler. Óbvio que é para fãs do género, isso sem dúvida, mas eu que nem leio muito terror ou li ao longo da vida (os livros dos “Arrepios” em adolescente acho que não contam) gostei e peguei no livro e só larguei na última página. Temos pequenos contos, todos diferentes e para todos os gostos, uns mais “brutais e satíricos que outros, mas a qualidade com que nos são apresentados e escritos… eu só penso que por muito eu desse a volta ao miolo não tinha este tipo de imaginação!
Outro ponto fortíssimo deste pequeno livro são as ilustrações de David Benasulin. Para cada conto, existe uma ilustração incrível e dão ainda mais valor e entusiasmo ao que estamos a começar a ler.
A Mafalda Santos é uma escritora e mulher brilhante e aqui, mostra o quão capaz e versátil é na sua escrita e em tudo o que faz na sua vida. Parabéns !

A Autora:

Mafalda Santos nasceu em Lisboa em 1982. Filha de mãe professora e pai jornalista, teve desde a infância uma ligação profunda com a palavra escrita, nas suas mais diferentes formas literárias. Com 12 anos, foi pela primeira vez ao teatro, e apaixonou-se. Fez o curso de Interpretação da Escola Profissional de Teatro de Cascais e, posteriormente, licenciou-se em Teatro/Encenação, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Hoje, a sua atividade profissional estende-se por diversas áreas: guionista de teatro e televisão, atriz, encenadora e professora de Interpretação.

Opinião – Frio Suficiente para Nevar – Jessica Au – D.Quixote

ISBN: 9789722075824
Ano de edição: 10-2022
Editor: Dom Quixote
Páginas: 128

Sinopse:

Uma jovem mulher organiza umas férias com a mãe no Japão, onde percorrem Tóquio, Osaka e Quioto: caminham pelos canais nas tardes de outono, esquivam-se de chuvas e vendavais, partilham refeições em pequenos cafés e restaurantes e visitam galerias para verem alguma da mais radical arte moderna. Enquanto isso, conversam: sobre tempo, horóscopos, roupas, objetos, família, distância e memória. Mas as incertezas abundam. Quem estará realmente a falar – apenas a filha? A mãe raramente fala, aparenta ser uma presença fantasmagórica que não parece estar de facto ali. E qual será a verdadeira razão desta viagem elíptica, ou mesmo espectral?

Ao mesmo tempo reflexão e elegia, Frio Suficiente para Nevar questiona o facto de todos falarmos sequer uma língua comum, quais as dimensões que podem conter o amor e até que ponto poderemos afirmar conhecer deveras o mundo interior de outrem.

Escolhido entre 1500 candidatos, este romance venceu o Novel Prize, um novo prémio, bienal, patrocinado pelas editoras Fitzcarraldo Editions, New Directions (EUA) e Giramondo (Austrália) e destinado a distinguir um romance escrito em língua inglesa que explore e expanda as possibilidades do género.

Opinião:

Uma história maravilhosa e que deixa o coração quente e ao mesmo tempo tão apertado… é uma obra de reflexão, de autoajuda, de ligações familiares e de amor de mãe e filha. Filha essa que é narradora, enquanto a mãe quase sem se pronunciar tem o papel determinante de mostrar que existe tanto, mas tanto que se pode mostrar e demonstrar sem uma única palavra proferir. Passado no meu País de sonho, Japão, as duas mulheres viajam e partilham momentos únicos e especiais em Tokyo, Osaka e Quioto. Uma narrativa que nos leva pelo Japão fora e os seus costumes tão únicos, tão ricos e que se transformam numa espécie de história encantadora que nos faz sonhar com paisagens, com rostos, com provas de superação interior e acima de tudo honestidade familiar. É um livro lindíssimo, que se lê tão bem e tão rapidamente que ficamos a querer mais, a querer saber mais sobre estas duas mulheres, que podiam ser qualquer mãe e filha que existem por aí neste Mundo.
Recomendo, foi uma das minhas prendas de Natal e não poderia ter ficado mais feliz de o ter lido.

A Autora:

Jessica Au vive em Melbourne, na Austrália. Trabalhou como editora-adjunta da revista trimestral Meanjin e como verificadora de factos para a revista Aeon. O seu romance Frio Suficiente para Nevar (2022) é o vencedor do primeiro Novel Prize e tem direitos vendidos para dezoito línguas.


Opinião – 4420 – Pedro Miranda de Castro – Visgarolho

Titulo: 4420
Autor: Pedro Miranda de Castro
Nº Páginas: 140
Editora: Visgarolho
ISBN: 978-989-53167-7-9

Sinopse:

Filipe, um empregado de armazém existencialista, é o jovem arquétipo do proletariado, moldado numa família coesa mas marcada pelo abandono do patriarca. Nascido nos arrabaldes do Porto, faz-se camaleão no seu meio. Contudo, vive ensimesmado nos seus pensamentos niilistas, afundado numa rotina de precariedade, fervilhando em pensamentos de derrota latente que afoga em prazeres mundanos, abundantes, electrizantes e fáceis no seio do seu sub-mundo. Tudo parece mudar quando Fernando, um dos irmãos de Filipe, é preso por narcotráfico e este é convidado pelo Partido para se tornar representante dos trabalhadores do Armazém. Entretanto, no 4420, incuba-se um novo movimento cultural, encabeçado por Fábio, o irmão mais novo de Filipe, que vem a tomar expressão como outrora acontecera no Bronx.

Num estilo cru, mas repleto de humor, o autor mostra-nos a realidade de muitos jovens dos subúrbios, como quem nos desfere um murro no estômago.

Opinião:

4420, Código Postal de Gondomar. Só a meio do livro me apercebi disso. Até porque este foi o livro que me acompanhou em viagem no regional para Lisboa e eu acho que os restantes passageiros acharam que eu não tinha os parafusos todos no sitio, porque dei por mim a rir sozinha até me virem as lágrimas aos olhos.
Quando se mistura humor com a vida real e crua e se consegue transmitir isso tão bem é porque estamos perante alguém que já vivenciou bastante, tem um grau cultural acima da média e acima de tudo sabe como, quando e o que escrever.
Filipe, o protagonista desta trama, é o jovem típico zé ninguém vindo de uma família disfuncional e meio louca que por intermédio do destino e da sorte (ou azar como preferirem ao ler) se torna alguém. Não é bem um alguém com importância, mas torna-se um “meio” para atingir um fim e para ele já é bom, tendo em conta a vida que leva. Os irmãos, Fernando e Fábio (cada um com os seus “esquemas”) são pontos chave para que Filipe mude o rumo da sua vida sem ser vida, daquela rotina típica de quem já perdeu o norte, dia após dia a trabalhar na fábrica, a ter relações de ocasião, a correr para transportes públicos, a beber até esquecer a dor, as férias na terrinha cheia de emigrantes franceses… Familiares com esta vida? Pois.
Sendo ficção ou não, a vida de Filipe é a vida de tantos. Muitos. Do vizinho do 9º andar. Da jovem empregada do café. Do jardineiro da Junta de freguesia que passa a vida a cortar a erva que cresce sem parar. É a ficção, que a fazer-nos rir mostra a dura realidade de muitos jovens dos subúrbios (e não só) e o que acontece quando não nascemos com aquela estrelinha da sorte ou cheios de dinheiro.
Lê-se como pãozinho acabado de fazer com manteiga e também é um dos meus escolhidos de 2022 sem dúvida. Recomendo!

O Autor:

Pedro Miranda de Castro nasceu no Porto em 1989. Tornou-se Mestre em Ciências Farmacêuticas em 2013 e Doutorado em Biotecnologia em 2018. Foi investigador na Universidade Católica Portuguesa e colaborou com as Universidades de Bolonha e Buenos Aires. Hoje é Investigador no Instituto de Soldadura e Qualidade e Professor no Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Escreveu os romances “4420” e “Viagem” – obra vencedora da edição de 2019 de Ficção Narrativa Montijo Jovem – assim como vários contos (e.g. “Belzebu, o Sem-abrigo”, “Cartas de um Astronauta em Tempos de Pandemia”, “As Fantásticas Aventuras do Marinheiro Zé Fusco”) e poemas. No presente, amadurece um novo romance: “Ao Largo dos Meridianos”.

Opinião – As Sombras da Raia – Nuno Franco Pires – Visgarolho

Titulo: Sombras da Raia
Autor: Nuno Franco Pires
Nº Páginas: 326
Editora: Visgarolho
ISBN:978-989-53167-5-5

Sinopse:

1936: No lado espanhol da Raia a guerra rebenta e, em Badajoz, centenas são massacrados. Juan foge com a família para o lado português, refugiando-se no Monte do Loreto, nos arredores de Elvas, onde encontra trabalho, mas também a antipatia de Tomás, o capataz da herdade.Filho bastardo do proprietário, Tomás vai perseguir a família de espanhóis, servindo-se de Severino, o seu homem de confiança, precipitando-os a todos para um desfecho que alterará o rumo das suas vidas.

2018: Um workshop de genealogia traz à luz segredos de família nunca revelados pela avó Soledad. Clara não hesita em querer descobrir a verdade. De Badajoz desloca-se a Elvas à procura de respostas, e conhece Miguel em circunstâncias inusitadas.Professor de história conformado, Miguel está decidido a salvar a histórica fábrica de ameixas doces da família, após o avô ter comunicado a sua intenção de a encerrar.Inês volta à terra natal depois de ver terminado o casamento que lhe parecia perfeito. Após uma longa ausência, o reencontro com a família e um grande amor de adolescência vão levá-la a repensar o seu futuro.Os seus destinos vão cruzar-se, revelando segredos ocultos nas sombras da raia, uma teia de mentiras e enganos guardados por três famílias ao longo de gerações.

Numa trama bem construída, repleta de personagens marcantes, o autor agarra-nos até à última página num crescendo de emoção e suspense.

Opinião:

Quando li a opinião num grupo de leitura sobre este livro, foi quase instantâneo que o teria que ler. Não só por ser de um autor nacional e da Editora Visgarolho, mas também porque as palavras lidas foram sentidas e precisas. Sombras da Raia é no mínimo um murro no estomago, uma autentica lição de vida e de sobrevivência extrema, de amizades para a vida e podridão humana. Com o país de nuestros hermanos a ser fustigado pelo impendioso e ditador General Franco, uma família espanhola humilde e trabalhadora foge para Portugal, para perto da fronteira em busca de conseguir sobreviver a um massacre e dar um futuro às crianças que conceberam. Este é o principio de uma história que vem ter ao presente (2018) com detalhes específicos de genealogia de cada uma das famílias envolvidas e personagens relevantes. Com uma narrativa cativante do inicio ao fim o autor Nuno Franco Pires consegue sem dúvida alguma fazer-nos sentir empatia pelas várias gerações de personagens e a forma como as mesmas ganham um destaque único por cada acção que tomam (uma busca pela verdade é sempre algo com final incógnito) é de se tirar o chapéu e de uma inteligência emocional enorme. Não existe um único sentimento deixado de fora ao longo da narrativa e sendo baseado em factos reais, tornam o cenário também ele real no nosso imaginário e sofrer as dores, sorrir com as alegrias e ficarmos assoberbados pela maldade.
No entanto, e escrevo-vos em 2023 esta opinião, em plena Guerra da Rússia contra a Ucrânia e os ditadores e tiranos além de terem permanecido tornaram-se mais cruéis, mais frios e mais mortais. Como é que (e falando apenas nas atrocidades do General Franco) passados 87 anos não se aprendeu nada? Não se evitou nada?
Aconselho do fundo do coração a lerem este livro, põe em perspetiva a vida dos nossos avós, e a vida dos nossos netos. E dá medo.

O Autor:

Nuno Franco Pires nasceu em 1975, em Elvas, e por lá continua.

Gosta de ser alentejano. Gosta de escrever.

Iniciou a aventura pela blogosfera sendo coautor do espaço Dualidades. Participou em coletâneas com autores portugueses e espanhóis, escreveu artigos de opinião e crónicas para portais locais. Integra o painel de tertulianos da rúbrica “Conversas de barbearia” do blog Três Paixões.

Em 2014 publicou o seu romance de estreia “Searas ao vento”. Em 2020, em plena pandemia, seguiu-se-lhe “Um dia a aldeia acabou”. “Sombras da raia” é o seu terceiro romance.

Opinião/Review – O Segredo de Black Hills – Nora Roberts – Grupo Saída de Emergência (Bilingue)

Chancela: Chá das Cinco
Coleção: 11×17
Data 1ª Edição: 01/09/2022
ISBN: 9789897105555
Nº de Páginas: 608
Dimensões: [110×170]mm
Encadernação: Livro de Bolso

Sinopse:

Cooper Sullivan passou os verões da sua juventude no rancho dos avós no Dakota do Sul, partilhando jogos inocentes e beijos roubados com a rapariga do rancho vizinho, Lil Chance. Agora, doze anos depois, o destino voltou a juntá-los em Black Hills.
Coop deixou a vida frenética como detetive em Nova Iorque para assumir a gestão do rancho dos avós. Lil tornou-se uma mulher bela e respeitada, que não deixou que nada a impedisse de concretizar o sonho de abrir um refúgio para animais selvagens.

Mas algo, ou alguém, mantém uma constante vigilância sobre ela. Quando pequenos acidentes se transformam em atos de violência que terminam com a morte do puma de estimação de Lil, as recordações de um homicídio por resolver levam Cooper a assumir a proteção de Lil para a manter a salvo.
Lil e Cooper conhecem perfeitamente os perigos que se escondem nas montanhas de Black Hills. Agora têm de trabalhar em conjunto para descobrir um assassino maquiavélico que os marcou como a presa seguinte.

Opinião:

Quem me conhece sabe que sou uma fervorosa defensora dos direitos dos animais, sejam eles quais forem. Tenho fobia a vespas e não gosto de melgas, mas não mato nada. Este livro pela sinopse dizia-me logo que o ia adorar duma ponta à outra. Além da história bem estruturada de amor de infância que passa a amor adulto, de famílias e união num meio pequeno, temos como pano de fundo o amor incondicional a animais, neste caso animais selvagens e uma mulher com uma missão na vida que alguém com maldade e pensamento errado tenta acabar. Lil a protagonista vê-se a braços com proteger os que tanto ama e mesmo assim sobreviver a quem a colocou como alvo a abater devido a segredos do passado, a segredos das Colinas Hill, que alheia aos mesmos e com a ajuda de todos os que a rodeiam inclusive um dos protegidos dela, o mais acarinhado, acaba num final feliz e típico de Nora Roberts. Adorei! Quem gosta de animais deve, tem que ler mesmo!

Review:

Anyone who knows me knows that I am a defender of animal rights, whatever species they may be. I have a phobia of wasps and I don’t like other insects, but I don’t kill anything. This book by reading the synopsis, immediately told me that I was going to love it from the beginning to the end. In addition, the well-structured story of childhood love that turns into adult love, of families and union in a small place, we have as a delight the unconditional love for animals, in this case wild animals, and a woman with a mission in life that someone with evil and wrong thoughts tries to end. Lil, the protagonist, finds herself having to protect those she loves so much and even to survive that killer who put her as a target to be shot down due to the secrets of the past, the secrets of Black Hills, which is oblivious to her, and with the help of all those who surround her with one of her protégés, the most cherished, ending in a happy ending typical of Nora Roberts. I loved it! If you like animals, you must read this!

Os meus agradecimentos ao Grupo Saida de Emergência pela cedência deste exemplar. Não se esqueçam de aproveitar a promoção 2=3 ! E também o Novo livro de J.D Robb com oferta!

Apresentação do Livro “Do Outro Lado” de Mafalda Santos, Fnac Chiado

Ontem foi um final de tarde maravilhoso. Após ter falhado a primeira apresentação do livro em Lisboa e apesar dos constrangimentos todos não faltei. E que bom que foi. A Mafalda é um ser humano extraordinário e o Nuno Markl fez uma apresentação super original e genuína. Mais que genuína. Obrigado minha querida pelo carinho e aguardo ansiosamente pelas obras que aí vêm!

Fiquem com o registo fotográfico e um video do Live que fiz para o instagram do Blog (o possível, peço desculpa desde já pela qualidade de imagem e som, comigo pelo meio a rir ou comentar algo com o meu irmão do coração que me acompanhou).

Podem ver a Review aqui e o livro está disponível em todas as livrarias mais conhecidas. Também podem conhecer mais das obras da Mafalda aqui.

Mais uma vez obrigado pela simpatia e pelo bocadinho bom e bem disposto!

Opinião – Vertigens de Valentina Silva Ferreira – Aurora

Chancela Aurora
ISBN
9789898860187
Edição novembro de 2022
Dimensões 150 x 230 x 25 mm
Encadernação capa mole
Páginas 240

Sinopse:

Em finais dos anos 1970, no Caniço, uma cidade costeira na ilha da Madeira, todos conhecem Ana Clara, a estranha rapariga que não fala e que passa os dias à janela. Quando Anita Fontoura a vê, também ela presa na sua janela de solidão imposta pelo marido, desenvolve-se entre as duas vizinhas uma amizade inesperada.
Décadas mais tarde, de regresso à ilha para enterrar Anita, a sua filha Oti reencontra-se com Ana Clara, sua madrinha, para tentar compreender a história da família, das mulheres Fontoura, da fuga das duas para Lisboa e daquela mãe que foi tão difícil amar.
Este é um romance sobre liberdade e coragem, sobre forjarmos nosso próprio caminho, sobre gritos no silêncio. Duas mulheres enclausuradas que o destino uniu e que, juntas, encontraram uma forma de voar.

Opinião:

“Vertigens” é uma masterpiece. Ponto. Escrito por uma escritora brilhante, inteligente, linda por dentro e por fora. Porque eu não conhecendo a Valentina, é assim que a vejo após ler esta obra. O Funchal com que sempre sonhei ali para eu me poder deleitar. Há muitos anos que não lia algo tão bonito, tão honesto, tão puro, mas ao mesmo tempo tão pormenorizado da realidade de outros tempos, outras épocas, que se cruzam com o que vivemos atualmente. Porque os temas são atuais, retratando a tão importante e necessária liberdade e emancipação feminina, após anos e anos de opressão pelo patriarcado. Fala-se de saúde mental menosprezada por desconhecimento, de sonhos gorados por medo, de saúde física exacerbada, de amor e menos amor (não gosto de usar ódio nas palavras), e de algo que nos flagela em pleno 2022, a violência doméstica predominante praticada a mulheres, que desde o início do ano de 2022, até 30 de setembro, registam-se 21 vítimas , 20 mulheres e 1 criança (dados retirados de https://www.cig.gov.pt/area-portal-da-violencia/portal-violencia-domestica). Esta obra é um HINO e GRITO de liberdade de duas mulheres enclausuradas na vida e pela vida que o destino uniu e que se tornou numa das mais bonitas histórias de amizade pura, com todos os seus enormes defeitos, com toda a sua falta de altruísmo e egoísmo, mas mesmo assim com o maior amor que podia existir entre ambas, a partilha do sonho da felicidade e liberdade física e mental. O Resto leiam por favor. Obrigado por este livro Valentina. Obrigado pelas lágrimas que verti a ler. Quando um livro nos faz chorar é porque é bom. Gostaria muito de um dia poder ter o meu livro autgrafado e conhecer a Valentina 🙂

A Autora:

Valentina Silva Ferreira nasceu no Funchal, perto do Natal de 1988. Técnica Superior na UMAR e formadora na EnConta-me: Oficina de Escrita, Vertigens é o seu quinto romance (Distúrbio; A Morte é uma Serial Killer; Os loucos também dançam; e Origami). Vencedora de prémios literários nacionais e internacionais, com destaque para o primeiro lugar no Prémio Literário Pedro da Fonseca (Câmara Municipal de Proença-a-Nova, 2020), e do Concurso Internacional de Contos Nelson Rodrigues (UNESCO – Paris, 2013), é coautora de Estórias com Tempero (com Joana Martins) e em diversas antologias brasileiras e portuguesas. Ativista feminista, LGBTI+ e vegana.

Opinião – Revelação de A.M Catarino – Visgarolho

Titulo: Revelação

Autor: A. M. Catarino

Nº Páginas: 200

Editora: Visgarolho

ISBN: 978-989-53167-6-2

SINOPSE
E se uma cidade centenária experimentasse o fim do mundo, tal como descrito no último livro da Bíblia? Sob a epigrafe de excertos do Livro do Apocalipse, de São João, seguimos na terra as consequências dos eventos no céu.Um velho escritor tenta salvar-se, enquanto o mundo colapsa à sua volta. No seu percurso é acompanhado por duas misteriosas crianças gémeas, que o entendem, mas não falam. Em sucessivas peripécias, vão-se cruzando com vários outros sobreviventes, muitos deles logo arrebanhados para o julgamento final.Uma questão permanece ao longo das páginas de “Revelação”. Quem será este escritor afinal?Numa escrita por vezes minimalista, de frases curtas e certeiras, deparamos com uma cidade a enfrentar o fim do mundo, numa vertiginosa sucessão de acontecimentos, até um desfecho inesperado, que por certo surpreenderá os leitores. Um livro que é também uma homenagem aos livros e a um dos maiores vultos da literatura do século XX.

Opinião

A minha estreia em livros editados Visgarolho não podia ter sido melhor. “Revelação” lê-se num sopro e sente-se na alma. Num cenário de verdadeiro apocalipse bíblico, fustigado pela fúria dos céus um escritor de alguma idade tenta salvar-se, salvar quem por ele passa e sente, salvar a alma. Acompanhado por duas enigmáticas crianças gémeas que o seguem por todo o lado sem falarem, vai encontrando quem ainda sobreviveu e tem redenção e quem não tem, dá de caras com a maldade em estado puro e com o altruísmo na sua plenitude. Quem tem lógica e sentido empírico e quem apenas segue como um rebanho, à procura do pastor. Conforme vamos lendo sem parar, vamos observando passagens de alguém muito familiar, de um escritor que deixou a sua obra por escrever e que precisa de voltar a casa para saber como a terminar. Dá-nos uma sensação de alguém desiludido consigo, mas não consigo, com alguém. Mas consigo. Confuso? Leiam até ao fim. Eu fiquei completamente apaixonada, agarrada, rendida a este final. De mestre. De um escritor de qualidade e inteligência emocional enormes. Se recomendo? Pergunto-me como é que ainda não leram. Estou a escrever perto da época natalícia, dá uma excelente prenda de Natal a quem gosta de boa literatura, sem complicações e sem desvios.
Vamos continuar a apoiar os autores portugueses.
Obrigado A.M Catarino, por este pedacinho de céu. Demorei a escrever a opinião, não é longa porque quero mesmo que leiam e tirem as suas próprias ilações. Está no meu top 5 de 2022 sem dúvida.

Dear Maggie eARC – Meghan Rose – Review Bilingue

Product details
Publisher ‏ : ‎ Meghan Rose (November 9, 2022)
Language ‏ : ‎ English
Paperback ‏ : ‎ 282 pages
ISBN-10 ‏ : ‎ 1738729206
ISBN-13 ‏ : ‎ 978-1738729203
Item Weight ‏ : ‎ 10.9 ounces
Dimensions ‏ : ‎ 5 x 0.71 x 8 inches

Coping with death isn’t a one-size-fits-all situation.

Emma thought she understood loss. Until a car accident turns the aspiring novelist’s world into a new and painful reality she refuses to process.

Denying the empathy and compassion offered by friends and family, Emma’s sorrow and guilt lead her down a path of self-destruction that begins with a single letter and its harsh reply.

When she meets the mysterious, tattooed musician Christian and the local bartender Brittany, Emma feels an immediate bond with both. They’re determined to save her from her demons, including a dangerous ex-boyfriend and new friends who offer a risky solution of blissful euphoria for Emma’s sorrow.

Can Emma accept their help, or will she continue burning bridges until she’s lost in her own grief for good?

Review:

I was approached by this international writer to be an early reader (ARC) of her new book and although it took longer than I intended, I can only say that I don’t regret anything. What a beautiful Story, full of emotion, pain, so real, so hard. Emma is the mirror of someone devastated by the pain of losing her best friend and feeling the guilt for not having died instead of her friend. Writing and narrative that holds us from beginning to end and makes us think that we all deal with the pain of losing someone differently and not always in the “time” that others demand of us. Every grief is a grief and we cling to what seems easier and less painful. I lost someone I loved dearly two months ago and I still haven’t grieved. I cannot. And when I read this book, it made me see that I don’t have to do it with a deadline, I do it whenever I want.
This work is also a praise to starting over and never turning your back on those who want to help us and free us from the toxicity of others. After all, death is something mysterious and painful for those who stay here and demands respect and consideration.
Meghan Rose is to be congratulated, read it, you can buy it here, it only exists in English but it is worth it. It pushes us forward from beginning to end and makes you think and rethink everything we experience, our daily struggles and above all, never give up no matter how much it hurts.
Thank you Meghan for the reading opportunity.

Opinião

Fui abordada por esta escritora internacional para ser leitora antecipada da sua nova obra e apesar de ter demorado mais do que pretendia, só tenho a dizer que não me arrependo nada. Mas que obra linda, cheia de emoção, dor, tão real, tão dura. Emma é o espelho de alguém devastado pela dor de perder a melhor amiga e de sentir a culpa por não ter falecido ela em vez da amiga. Escrita e narrativa que nos prende do inicio ao fim e que nos faz pensar que todos nós lidamos com a dor de perder alguém de forma diferente e nem sempre no “tempo” que os outros exigem de nós. Cada luto é um luto e agarramo-nos ao que parece mais fácil e menos doloroso. Eu perdi alguém que amava muito há dois meses e ainda não fiz o luto. Não consigo. E ao ler este livro, fez-me ver que não tenho que o fazer com prazo, faço quando bem entender.
Esta obra também é uma ode a recomeços e a nunca virar as costas a quem nos quer ajudar e libertar-nos da toxicidade alheia. Afinal a morte é algo misterioso e doloroso para quem cá fica e exige respeito e consideração.
Meghan Rose está de parabéns, leiam, podem comprar aqui, só existe ainda em inglês mas vale a pena. Emociona do inicio ao fim e faz pensar e repensar em tudo o que vivemos, nas nossas lutas diárias e acima tudo, nunca desistir por mais que doa.
Obrigado Meghan pela oportunidade de leitura.

The Author / A Autora

Meghan Rose is a native Newfoundlander who relocated to the Okanagan Valley in British Columbia in 2018. She lives there with her husband, and their cat, Scholar.

Meghan completed a Bachelor of Arts from Memorial University of Newfoundland in 2015, and has worked in various office roles since then. She has wanted to be a writer for as long as she can remember, and Dear Maggie is her debut novel.

When she’s not spending her spare time with her nose in a book (writing her own, or reading others’), she’s often baking The Best oatmeal chocolate chip cookies, or experimenting with French pastry.

Her one wish for her writing career is that something she publishes will help someone going through a tough time.