Daily Archives: 2 de Julho de 2014

Opinião – A Passagem Livro 1 – Volume II – Justin Cronin- Editorial Presença

A_Passagem_Vol_II

Coleção: Via Láctea
Nº na Coleção: 100
Data 1ª Edição: 06/09/2011
Nº de Edição: 1ª
ISBN: 978-972-23-4618-4
Nº de Páginas: 416

Sinopse:

Neste segundo volume do livro A Passagem, a humanidade vive uma era de trevas em que a sobrevivência dita as leis, não só em função dos ataques dos mutantes virais, mas em relação a quase tudo que tem ser recuperado, adquirido e reinventado. Passaram entretanto noventa anos sobre a catástrofe e a Vagante, como muitos lhe chamam, regressa de uma longa e solitária jornada de décadas. Como numa viagem iniciática, durante essa obscura deriva ganhou forma dentro dela o terrível conhecimento de que ela é a Única que tem o poder de salvar o mundo destruído por aquele pesadelo.

Opinião:

E se eu pensava que o volume I era bom, tive quase um ataque cardíaco com este segundo volume. Não há nada, mas nada que não aconteça aos já nossos amigos sobreviventes e a personagens do volume I que vão regressar. Basicamente neste segundo volume, continua a história do primeiro, literalmente, e vamos aos poucos descobrindo de que fibra são feitos os mutantes, virais, fumaças (tantos nomes que lhes dão) e acima de tudo o que os sobreviventes têm que fazer para se manterem vivos. Já com Amy de novo em cena, mais velha, 90 anos após a fim do Mundo como o conhecemos, sentimos desde logo que a ligação dela com Peter , um dos sobreviventes da colónia é diferente e ficamos logo com vontade de perceber um pouco mais. Amy é a rapariga de Nenhures, é a única ligação entre o Mundo Antigo e o Mundo Novo. Na colónia de sobreviventes as coisas dão para o torto e depois de morrer parte da população, os nossos protagonistas aventuram-se fora da Colónia, em busca das Terras Sombrias. Amy destaca-se sempre porque é a única que consegue compreender os virais, que sabe que eles são “Os Doze” e que ela é a única esperança que resta para salvar a pouca Humanidade que ainda existe. Ao longo de todas as intempérides por que passam, os nossos sobreviventes vão descobrindo mais sobre eles próprios e mais sobre o Mundo que para eles é desconhecido. Mais uma vez , a história é rica em detalhes, descrições e retratos de uma Humanidade destruida e de uma raça de Mutantes que aos poucos está a tornar-se mais fraca, e a comportar-se de forma atipica.

Quase no final deste segundo volume e após reviravolta de alguns acontecimentos, ficamos num impasse, ficamos com dúvidas em relação a algo que já lemos atrás, ficamos com sede de ler o próximo volume. Ficamos completamente assoberbados pela quantidade de situações que ainda se avizinham. É destes livros que eu gosto, são estes que me fazem ler até ás 04.00h da madrugada, são estes que fazem com que sejamos transportados para “dentro” deles.

Recomendo, leiam por favor, é uma experiência extraordinária. E que venham “Os Doze” 🙂

 

Sobre o autor:

Justin Cronin, nascido na Nova Inglaterra, Estados Unidos, concluiu a sua formação em Harvard e no Iowa’s Writer’s Workshop. Anteriormente, escreveu Mary and O’Neil, que recebeu o PEN/Hemingway Award e o Stephen Crane Prize, e The Summer Guest, entre outros títulos. A Passagem, livro que configura uma grande mudança de rumo na sua carreira de escritor, é o primeiro título de uma trilogia, que entrou diretamente para o terceiro lugar das tabelas de vendas do New York Times, e foi considerado um dos dez melhores romances do ano da sua publicação pela revista Time. A edição portuguesa deste título encontra-se publicada em dois volumes na coleção Via Láctea.

 

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui

Mónica Mil-Homens

 

Opinião – A Passagem Livro 1 – Volume I – Justin Cronin- Editorial Presença

Liv01220099_f

Coleção: Via Láctea
Nº na Coleção: 99
Data 1ª Edição: 06/09/2011
Nº de Edição: 1ª
ISBN: 978-972-23-4606-1
Nº de Páginas: 560

Sinopse:

A Passagem é o primeiro livro de uma grandiosa epopeia pós-apocalíptica. Uma experiência científica a que o exército dos Estados Unidos submete vários homens e uma menina, para os tornar invencíveis, resulta numa catástrofe cujos efeitos têm consequências inimagináveis. Os homens submetidos àquela experiência tornam-se detentores de extraordinários poderes, mas são monstros assassinos sedentos de sangue. Neste primeiro volume do livro acompanhamos a sangrenta destruição que se segue à invasão dos mutantes, bem como a penosa reorganização dos sobreviventes em pequenas comunidades precárias, onde a gestão dos escassos recursos é uma prioridade. Neste cenário de devastação instala-se uma dinâmica que vai modificando as personagens e as relações que se estabelecem entre elas.

Algo está para acontecer.

Opinião:

Isto é tão bom que não sei por onde comece. É bom, viciante, desesperadamente frenético e as emoções que provocam no leitor são mais que brutais. Sou completamente viciada em Distopias e Mundos após apocalipse e afins e estes livros despertaram-me o interesse de uma forma avassaladora.
Este primeiro volume divide-se em várias épocas temporais diferentes e somos introduzidos ao inicio dos inicios, de como tudo começou, à caracterização e percurso de vida das personagens principais e como isso se reflecte em todo o universo da história. É-nos apresentado o fim do Mundo como o conhecemos, é-nos posto á prova a sapiência e compreensão de tudo aquilo que o ser Humano é capaz em prol de interesses desconhecidos. Julgo que este livro também nos incute na alma o que a arrogância e desrespeito pelo próximo (neste caso pelo Mundo inteiro, por civilizações inteiras) pode causar. E depois temos a Amy e aqueles que a amam e protegem.E temos os que sobrevivem. E temos aqueles que não sabem sequer o que são (quem somos nós??). E temos uma super raça de mutantes que só nos querem ver mortos.

Somos transportados para uma verdadeira história de sobrevivência, de luta e de relações inter-pessoais que vão sendo modificadas conforme a trama se vai desenrolando. Ficamos a conhecer neste primeiro volume como é que os sobreviventes ainda conseguem existir, como é que sobrevivem aos ataques dos mutantes e como é que ingenuamente continuaram a dar continuidade á raça Humana. Como é voltar a viver sem tecnologia, sem cuidados médicos, sem nada dos tempos modernos. Afinal o Mundo acabou como nós o conhecíamos….

Esta é daquelas histórias que pura e simplesmente não se consegue parar de ler, queremos saber mais e mais, ficamos ávidos para saber o que se segue… e nem sempre é aquilo que mais desejamos.

Recomendo vivamente a leitura deste livro, mas não isolado. Devem ter logo á mão o segundo volume para dar continuidade á história…para mim foi importante não parar, fiquei presa, hipnotizada por este universo e pelas personagens e ia ficar um pouco frustada senão tivesse lido logo de seguida.

Sobre o autor:

Justin Cronin, nascido na Nova Inglaterra, Estados Unidos, concluiu a sua formação em Harvard e no Iowa’s Writer’s Workshop. Anteriormente, escreveu Mary and O’Neil, que recebeu o PEN/Hemingway Award e o Stephen Crane Prize, e The Summer Guest, entre outros títulos. A Passagem, livro que configura uma grande mudança de rumo na sua carreira de escritor, é o primeiro título de uma trilogia, que entrou diretamente para o terceiro lugar das tabelas de vendas do New York Times, e foi considerado um dos dez melhores romances do ano da sua publicação pela revista Time. A edição portuguesa deste título encontra-se publicada em dois volumes na coleção Via Láctea.

 

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui

Mónica Mil-Homens

Editorial Divergência: Concurso para a Antologia “A calçada à Meia Noite”.

Boa tarde caríssimos escritores de sofá 😀

Aqui está uma boa oportunidade para verem esse talento reconhecido:

fantasiaurbana1

De forma a promover a fantasia urbana em Portugal na forma do conto em Língua Portuguesa, a Editorial Divergência dá início ao concurso para a Antologia “A calçada à Meia Noite”.

  1. Apenas podem concorrer textos inéditos, em língua portuguesa, sem acordo ortográfico e submetidos pelos próprios autores.

  2. Podem concorrer autores residentes em Portugal Continental e Ilhas.

  3. O limite de palavras será entre as 5000 a 15000 palavras.

  4. Todos os textos deverão estar inseridos no género de fantasia urbana.

  5. O prazo limite de entrega é 30 de Setembro de 2014. Os textos enviados após essa data não serão considerados para efeito do concurso.

  6. Cada autor poderá submeter até dois textos diferentes.

  7. Os textos devem ser enviado para ed.divergencia@gmail.com com o assunto Antologia. Serão aceites textos em formato .doc ou .odt, contendo no cabeçalho o título, o nome do autor e o género. Todos os trabalhos receberão um e-mail da recepção do envio.

  8. Na primeira página de cada submissão deverá constar o título do texto, o nome do autor/pseudónimo, e-mail, uma curta sinopse (com o máximo de 100 palavras), contacto telefónico e morada.

  9. O resultado será tornado público até 30 de Novembro de 2014 através do blogue da editora. Os autores serão contactados previamente via e-email.

  10. O número de autores seleccionados será decidido pelo júri.

  11. Os critérios de selecção serão parametrizados em termos da envolvência da trama, credibilidade e coerência das personagens e mundos criados, originalidade e fluidez narrativa. Será valorizada a inclusão de elementos tipicamente portugueses e o uso de cidades e lugares emblemáticos de Portugal.

  12. Os textos vencedores serão publicados pela Editorial Divergência na Antologia “A Calçada à Meia Noite”, que será lançada em formato papel e ebook.

  13. Os textos escolhidos serão revistos e editados antes da publicação.

  14. A editorial Divergência reserva-se na não atribuição do prémio por falta de qualidade dos textos.

  15. Os direitos de autor poderão ser pagos através da oferta de exemplares ou através dos 10% de direito que o autor detém. A editora retém o direito de publicação dos textos por um prazo de dois anos a contar da data de publicação.

  16. Não haverá recurso à decisão do júri.

  17. Qualquer situação omissa ou dúvida de interpretação neste regulamento será decidida pela administração da Editorial Divergência.

  18. Ao submeter o texto, o autor está confirmar que tem conhecimento e que aceita as regras deste concurso.

 

Para saberem mais informações sobre o género/temática solicitada podem consultar o seguinte link da própria editora sobre a Fantasia Urbana.

Não se esqueçam, é até 30 de Setembro de 2014.

Abraços e boas escritas