Daily Archives: 9 de Fevereiro de 2015

Opinião – O Bicho-da-Seda – Robert Galbraith – Editorial Presença

01040596_Bicho_Seda

Logo_2_web

Título Original: The Silkworm
Tradução: Ana Saldanha
Páginas: 520
Coleção: Grandes Narrativas Nº 596
ISBN: 978-972-23-5447-9

 SEGUNDO POLICIAL DE ROBERT GALBRAITH
PSEUDÓNIMO DE J.K. ROWLING
A Editorial Presença tem o prazer de anunciar que irá publicar O Bicho-da-Seda de
Robert Galbraith, segundo volume da série protagonizada por Cormoran Strike, no
seguimento da boa receção de Quando o Cuco Chama pelo público português, que foi
uma das mais bem-sucedidas obras do género policial publicadas em Portugal no ano
de 2013.

Sinopse:

Quando o escritor Owen Quine desaparece, a sua mulher contrata os serviços do detetive privado Cormoran Strike. De início pensa que o marido se ausentou por uns dias – como já acontecera anteriormente – e recorre a Strike para o encontrar e trazer de volta a casa. No decorrer da investigação, torna-se claro que o desaparecimento do escritor esconde algo mais.

Quine tinha acabado de escrever um romance onde caracterizava de forma perversa quase todas as pessoas que conhecia. Se o livro fosse publicado iria certamente arruinar algumas vidas – pelo que haveria várias pessoas interessadas em silenciá-lo. E quando Quine é encontrado, brutalmente assassinado em circunstâncias estranhas, começa uma corrida contra o tempo para tentar perceber a motivação do cruel assassino, um assassino diferente de todos aqueles com quem Strike se tinha cruzado…

Um policial de leitura compulsiva com um enredo que não dá tréguas ao leitor, O Bicho-da-Seda é o segundo livro desta aclamada série protagonizada por Cormoran Strike e pela sua jovem e determinada assistente Robin Ellacott.

Robert Galbraith, um pseudónimo de J.K. Rowling, é o autor do bestseller Quando o Cuco Chama, o primeiro volume desta nova série. O detetive privado Cormoran Strike está de volta neste novo romance policial!

Opinião:

Começo por dizer que este foi um livro mesmo muito aguardado. Após a leitura de Quando o Cuco Chama (Opinião aqui ) fiquei com muita vontade de ler mais sobre as aventuras e desventuras do Sr. Cormoran Strike e da Robin. E não poderia estar mais certa que este seria um livro magnífico.

Após o último caso desvendado (a morte de Lula Landry), tão difícil como mediático, Strike encontra-se agora a braços com pequenos casos residuais para conseguir pagar as contas e o salário a Robin. Ainda abalado com o fim da relação com a sua desequilibrada namorada Charlotte, não sente confiança para pensar em mais nada. E eis que surge (de forma brilhante) o caso mais comum do Mundo, o desaparecimento do marido de alguém, mas com contornos, vá lá, fora do comum. O desaparecido é um escritor excêntrico, não muito bem sucedido, que resolve escrever um livro polémico, bombástico a difamar meio Mundo, de forma pornográfica, grotesca, e pois claro deu asneira. Quem procura Strike é a esposa desse escritor que apesar de o mesmo passar a vida a desaparecer, desta vez ela sente que foi diferente.

Este livro leva-nos a conhecer o mundo Editorial de forma mais aprofundada, com tudo o que existe de bom e de mau e faz-nos chegar a uma realidade chocante que efectivamente o ser Humano, não olha a meios para atingir fins, mesmo que não seja plausível ou aceitável.

Gostei muito do desenvolvimento dado pela autora às relações com as personagens já existentes e a introdução de novas de forma a revelar um pouco mais sobre o passado de Strike e o presente de Robin. Todo o conflito de interesses entre relação pessoal/laboral é colocado em perspectiva e sentimos que as coisas não vão ficar por aqui (basta ler o último parágrafo do livro para percebermos que a autora tem algo reservado, nessa área). Gostei particularmente da personagem Orlando, e de a autora a ter colocado na história e dado ênfase com carinho e respeito.

Quanto à escrita, mais uma vez não existem dificuldades nenhumas em interpretar a história, nem a caracterização e desenvolvimento das personagens. É daquelas experiências de leitura que quanto mais lemos, mais queremos saber o desfecho, visto que até bem ao final do livro as coisas não são assim tão claras quanto a quem é a pessoa mais provável, dentro de tantos suspeitos, de ter assassinado Quine, o escritor. Confesso que durante toda a leitura tinha em mente alguém que afinal, não era.

Dou então nota máxima a este livro, pelo prazer enorme que me deu a ler, pelo prazer enorme que o recomendo vivamente a quem gosta de um bom mistério/história e claro que anseio por mais!

images

 

Para mais informações, consultem o website da Editorial Presença, que desde já agradeço a oportunidade de leitura.

Mónica Mil-Homens