Daily Archives: 8 de Junho de 2015

Opinião – O Marciano, Andy Weir – Editora Topseller

Capa Marciano
O Marciano
de Andy Weir
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 384
Editor: TopSeller
ISBN: 9789898626387

Sinopse

Uma Missão a Marte. Um acidente aparatoso. A luta de um homem pela sobrevivência.

Há exatamente seis dias, o astronauta Mark Watney tornou-se uma das primeiras pessoas a caminhar em Marte. Agora, ele tem a certeza de que vai ser a primeira pessoa a morrer ali.

Depois de uma tempestade de areia ter obrigado a sua tripulação a evacuar o planeta, e de esta o ter deixado para trás por julgá-lo morto, Mark encontra-se preso em Marte, completamente sozinho, sem perspetivas de conseguir comunicar com a Terra para dizer que está vivo.

E mesmo que o conseguisse fazer, os seus mantimentos esgotar-se-iam muito antes de uma equipa de salvamento o encontrar.

De qualquer modo, Mark não terá tempo para morrer de fome. A maquinaria danificada, o meio ambiente implacável e o simples «erro humano» irão, muito provavelmente, matá-lo primeiro.

Apoiando-se nas suas enormes capacidades técnicas, no domínio da engenharia e na determinada recusa em desistir, e num surpreendente sentido de humor a que vai buscar a força para sobreviver, ele embarca numa missão obstinada para se manter vivo. Será que a sua mestria vai ser suficiente para superar todas as adversidades impossíveis que se erguem contra si?

Fundamentado com referências científicas atualizadas e impulsionado por uma trama engenhosa e brilhante que agarra o leitor desde a primeira à última página, O Marciano é um romance verdadeiramente notável, que se lê como uma história de sobrevivência da vida real.

Opinião

Com uma capa simples e directa este livro apresenta-se ao leitor sem qualquer presunção apenas com um teaser frontal… “Estou preso em Marte. Não consigo comunicar com a Terra. E todos julgam que morri.” que nos deixa logo curiosos e nos faz questionar, Como?

Numa época em que a exploração espacial saiu um pouco das noticias actuais mas cujos projectos continuam a decorrer com prazos enormes, por vezes com várias décadas desde a planificação ao lançamento, surge esta narrativa que paralelamente à acção principal nos vem dar um vislumbre das implicações de uma viagem espacial bem como as dificuldades de uma missão de socorro.

A narrativa começa em modo diário, onde conhecemos Mark Watney numa situação complicada, ficou encalhado em Marte e ninguém sabe que sobreviveu à tempestade. Ao longo do livro vamos acompanhando Mark (astronauta, engenheiro mecânico, biólogo) na sua luta pela sobrevivência num estilo que nos faz lembrar as engenhocas do MacGyver mas num ambiente completamente hostil, onde quase por milagre o nosso herói aprende com os erros.

O livro apresenta-se de tal forma coerente e plausível que não me admiraria muito que visse a ser utilizado como inspiração nas futuras missões tripuladas a Marte (ou a qualquer outro planeta), pois mostra quase tudo o que pode correr mal e quão impotentes são as equipes do controle de missão, aliás veja-se o caso da Apolo 13 em que foi uma luta contra o tempo e graças aos esforços de uma equipe em terra, que recorreu a outra cápsula igual ligada a um simulador, que tudo fizeram para encontrar a solução com os meios disponíveis a bordo.

De uma leitura viciante, agarra-nos deste a primeira página até à ultima letra, facilmente nos colamos à personagem principal, dona de um humor sui generis, sofremos com ele ansiamos pelo momento seguinte e ao chegar ao final ficamos a salivar e a questionar-mo-nos, e depois?

Adorei a parte geopolítica presente na tentativa de salvamento, todas as agências Espaciais se uniram com um fim e deixaram as questões politicas para serem debatidas depois.

Julgo que seria um bom titulo a ser adoptado nos programas escolares não só para línguas mas também para as ciências.

Este é um daqueles livros aos quais dou 5 estrelas, pois praticamente não encontro nada de negativo a apontar. Recomendo vivamente e aviso que vão achar que soube a pouco.

Para mais informações e um preview do livro consultem o site da Editora Topseller.

 

Opinião – Pureza Mortal – J.D. Robb – Saída de Emergência

Pureza_Mortal

 

Data 1ª Edição: 22/05/2015
ISBN: 9789897101502
Nº de Páginas: 368
Dimensões: [160×230]mm
Encadernação: Capa Mole

Sinopse:

J. D. Robb apresenta o seu novo romance da série Mortal. Um vírus de computador alastra-se… e não tem limites.

Um misterioso caso sangrento relacionado com vírus de computadores causa terror e espanto. Louie Cogburn tem um ataque de fúria depois de dias em frente a um computador, causando um morto. A detetive Eve Dallas é encarregada da investigação do caso, não havendo, porém, nada que consiga explicar a fúria súbita do homem ou a sua morte. A única pista existente é uma mensagem bizarra no ecrã do computador: Pureza Absoluta Cumprida.
Eve divide-se entre um difícil caso de trabalho e a intensa relação de amor que vive com o marido, no seio da qual finalmente encontra o seu equilíbrio e paz de espírito. Mas para se concentrar no trabalho, será que descompensa no coração de Roarke? Quando um segundo homem morre em circunstâncias quase idênticas, Dallas apercebe-se da coragem e força intelectual, para além do apoio incondicional de Roarke, de que necessita para deslindar o caso e encarar o impossível… será isto um vírus de computador passível de contágio da máquina para o homem?

Opinião:

Este, foi sem dúvida dos livros da Saga que mais gostei de ler, ou não tivesse directamente interligado com a minha área profissional. Sempre com a escrita perfeita da autora, somos então levados a uma nova aventura da nossa querida Eve Dallas e companhia.
É sem dúvida uma emoção pegada do inicio ao fim, sendo que as nossas personagens habituais vão sofrer na pele a loucura encetada por um grupo de pessoas dispostas a tudo para chegarem a um fim, à justiça pelas próprias mãos. Utilizando a tecnologia disponível, através de um vírus informático causam o caos e a morte. Os alvos são pessoas que deveriam ter sido condenadas por crimes que cometeram mas que escaparam impunes. Mas em todos os planos existem falhas e infelizmente o nosso já conhecido Mcnab vai sofrer na pele isso mesmo e deixar-nos com as emoções à flor da pele. Ao logo da narrativa (brilhante, como já estamos habituados) vamos sofrendo emoções contraditórias e ficar lado a lado com os dilemas de Eve em separar a vida profissional da pessoal, visto que Roarke é convidado a ser Consultor civil para deslindar este caso. E no quanto ela ama com quem trabalha e priva com ela. Também temos novidades maravilhosas da sua amiga Mavis que nos deixam felizes só de ler.

O amor entre Eve e Roarke cada vez é maior de livro para livro e conseguimos perceber que a sua relação evolui, mas que existem ainda tantos “pontos omissos” entre os dois. E com as novidades de Mavis com certeza teremos um assunto que será debatido por ambos. Também notamos a evolução de Eve em relação ao seu “relacionamento” em família e o quanto a sua infância terrível roubou dela.

Como já é habitual nos livros da Saga Mortal, podemos ler este em separado sem ter lido os restantes anteriores,mas eu pessoalmente (que os leio a todos religiosamente) prefiro ter sempre presente o fio condutor das aventuras anteriores. Até porque neste livro vai surgir uma personagem de aventuras anteriores que será fundamental para o desfecho com chave de ouro com que a autora nos presenteou.

Só posso recomendar, não só a fãs da Saga e da autora mas a todos os fãs de um bom romance policial. Leiam que não se arrependem!

Emirates-Airline-estrelas

Para mais informações consultar o website da Saída de Emergência.

Mónica Mil