[Opinião] A Alvorada dos Deuses, Filipe Faria – Editorial Presença

Hoje trago-vos o ultimo livro do Filipe Faria autor da saga Crónicas de Allaryia também pela Presença.

 

 

filipe faria

Coleção: Via Láctea
Nº na Coleção: 129
Data 1ª Edição: 19/11/2015
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5706-7
Nº de Páginas: 176
SINOPSE:
No inverno de 1477, Berardo de Varatojo, padre franciscano estigmatizado, viaja para a distante Thule (Islândia) em busca de respostas para a sua crise de fé. Contudo, acaba raptado por desconhecidos antes de as conseguir encontrar. Os seus captores afirmam ser deuses, os sete destinados a sobreviver a um Crepúsculo dos Deuses de que nunca ouvira falar.
Aqueles que Berardo toma por feiticeiros pagãos confessam-se numa encruzilhada, culpando o Deus cristão pelo seu dilema. Segundo eles, o franciscano é precisamente a chave para a sua salvação, embora ele não consiga sequer conceber como.
Porém, essa é a menor das preocupações de Berardo, que se vê constantemente atormentado por visões e pesadelos de uma era antiga… E os seus captores não foram os únicos sobreviventes do Crepúsculo dos Deuses.
Um mal antigo persegue-os até às entranhas fogosas de Thule, onde deuses e crenças se confrontarão. E, onde Berardo terá de pôr cobro a uma disciplina imemorial, com o destino da própria Humanidade em jogo.
OPINIÃO:
Antes de mais um agradecimento à Presença por nos ter facultado o livro, em segundo um pedido de desculpas ao Filipe Faria pois não levei três horas a “despachar” esta obra mas prometo que retornarei a ela em momentos futuros para novas leituras.
Por forma a enquadrar historicamente a época retratada e reforçar o excelente trabalho do autor faço aqui uma breve introdução ao período em que esta narrativa decorre.
1477 faz parte do ultimo quartel do Séc. XV no final da época medieval (ou Idade Média) numa altura em que se assiste a uma grande expansão do Cristianismo para fora das antigas fronteiras do grande Império Romano e o choque de culturas que dai adveio. De relembrar que o Norte da Europa e a zona Escandinava mal sofreram influências directas do Império Romano, pelo contrário, o Império é que foi sendo alvo de influências oriundas dos povos “germanos” que chegaram ao ponto de serem escolhidos para a guarda pessoal do Imperador e posteriormente através de invasão terem levado à queda do Império. Assim é natural que a cultura nórdica tenha perdurado e resistido além da Romanização, no entanto com tantos elementos Germanos incorporados no Império e a posterior cristianização dos diversos povos de origem Nórdica que se expandiram por toda a Europa chegando mesmo ao nosso canto à beira mar plantado. Chamo também a atenção que para o Homem Medieval todas a figuras mitológicas como Manticoras, Hipogrifos, Leviatãs e Unicórnios existiam e São Jorge matou efectivamente um Dragão em defesa de uma princesa. Assim toda a mitologia nórdica era considerada pagã e atemorizava o mais comum dos mortais razão pela qual muitos homens de fé faziam seu objectivo de vida levar a palavra de Deus aos mais recônditos e selvagens cantos da terra criando para isso verdadeiros bastiões do Cristianismo.
É em plena viagem com destino a um destes bastiões que vamos encontrar Berardo de Varatojo emerso em questões que põe em causa a sua fé para as quais procura respostas que estariam assentes numa cópia de um documento guardado na longínqua Thule. Berardo consegue chegar ao seu destino e inicia os seus estudos, paralelamente é acometido por uns sonhos/visões sobre uma realidade diferente daquilo que conhece e que provocam um agudizar dos seus estigmas.
Porem os seus pacatos dias de estudo são interrompidos e Berardo vê-se envolvido com um grupo de estranhos feiticeiros pagãos que culpam o Deus cristão por ter roubado os seus fieis e os ter lançado num limbo para o qual Berardo será a chave, inicia-se assim uma nova viagem onde é sempre confrontado com inverdades religiosas e uma suposta realidade sem nexo. Falam-lhe dos salões de Valhalla aos quais não podem aceder, do Ragnarok que é nada mais nada menos que o equivalente ao Armagedão  Cristão.
Nesta obra o autor retrata-nos a mitológica Asgard após o embate com o Cristianismo que se apoderou de lugares chave fechando assim as portas aos deuses de Asgard.
Adorei a obra que de certa forma me fez lembrar outras duas sagas interessantes que roçam de formas diferentes várias figuras da mitologia bem como o choque de culturas e as suas consequências, O Códice de Merlin de Robert Holdstock e as incontornáveis Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley. Com uma prosa gráfica (ou não tivesse sido originalmente um guião de BD) e directa que nos leva a reanalisar a Cristianização do mundo conhecido de uma forma romanceada mas ao mesmo tempo bem vivida quase real.
Dei cinco estrelas no Goodreads e mantenho a classificação, pode ter demorado a ver a luz do dia, mas julgo que valeu a pena o esforço, parabéns Filipe.
Para mais informações sobre o livro podem consultar a página da Presença.
Um abraço a todos e boas leituras
Gustavo
Anúncios

Posted on 10 de Janeiro de 2016, in Editora, FC&F, Reviews and tagged , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: