Category Archives: Entrevista

Entrevista a Tânia Gomes, autora de “A Era dos Elfos” – Conhecer a Obra e Autora

Existem coisas que nos fazem pensar que nada acontece por acaso. Num dos nossos passeios triviais por uma conhecida cadeia de Livrarias, ficámos interessados numa obra que ainda não tínhamos visto…

IMG_20150615_154325

Edição/reimpressão:2015
Editor:Edições Mahatma
ISBN:9789898522689

Sinopse:

Durante quase dois mil anos os povos da floresta viveram nas Elui Arianar pacificamente e em harmonia com a Natureza, preocupando-se apenas em cantar, festejar e cuidar dos seus lares verdejantes.
Mas quando os orcs e outros seres malignos começam a entrar nas suas terras, eles são forçados a agir. Numa tentativa de compreender o inimigo, Yahala, a Senhora da Floresta de Ildrith, envia alguns dos mais sábios e poderosos seres da floresta para investigarem o sucedido.
O que começa por ser uma simples procura de informação rapidamente se transforma numa grande aventura que mudará por completo os destinos não só dos participantes como de todo o mundo. Segredos não revelados e mistérios desvendados num desenrolar surpreendente de acontecimentos que dão início a uma nova era – a Era dos Elfos.

Tânia Gomes é acima de tudo uma criadora apaixonada. O seu mundo é o da fantasia e magia, e é a este mundo, assim como à Natureza, que ela vai buscar a sua inspiração. Tudo começou com a criação do seu primeiro mundo de fantasia – o mundo de Aiah. Depois de terminar o curso de Artes Plásticas – Escultura, Tânia dedica-se à escrita bem como a melhorar as suas capacidades de desenho. As histórias que escreve começam a ganhar uma dimensão maior, crescendo e estruturando-se, dando lugar ao seu primeiro livro que é o início de uma longa saga – “A Era dos Elfos”. O desejo de ilustrar o que escreve vai também crescendo, e o seu interesse pelo desenho torna-se maior a cada dia.
O gosto pela ilustração fá-la explorar outras técnicas e, desde o final de 2013 dedica-se à aprendizagem de técnicas artísticas digitais. Num instante se apaixona pelo 3D que em muito a faz lembrar a escultura e, ao mesmo tempo, continua a aprender pintura digital e foto-manipulação.
Entretanto, com o objetivo de completar ainda mais a sua criação de mundos, Tânia estuda linguística, e a criação de línguas.
Todas as atividades criativas a que se dedica têm uma finalidade: a criação completa de mundos de fantasia.

Como ficámos mesmo muito interessados, decidimos pesquisar mais sobre a obra e autora e convidámos a mesma para uma entrevista que foi prontamente aceite!

1557228_487454668059627_8340321506536304045_oTânia Gomes, todos os direitos reservados. ©
Foto de perfil de Facebook de autora.

A ENTREVISTA:

Antes demais queremos agradecer-lhe a disponibilidade e amabilidade para a nossa pequena entrevista. Somos um Cantinho pequenino mas cheio de vontade de divulgar os nossos autores e ajudar a chegar mais longe o que se faz por cá no nosso País.

1 – Tânia, pode falar-nos um pouco sobre si?

Penso que se há duas características que sempre estiveram presentes em mim, manifestando-se desde a infância de um modo muito forte, são a minha imaginação fantasiosa (directamente ligada ao meu gosto por criar) e o meu amor pela natureza e pelos animais. Todo o meu caminho na vida foi muito marcado por estas duas características que são parte integrante da saga que estou agora a criar.
Tenho a sorte de ter grandes paixões na minha vida às quais me dedico tanto quanto possível, mesmo que nem sempre seja fácil dedicar-me a todas elas. A escrita e a criação de mundos de fantasia é uma dessas grandes paixões. É algo fascinante de se fazer. Torna-se extremamente complexo se queremos que tudo encaixe numa estrutura que faça sentido, mas é simplesmente fantástico ver mundos a surgir a partir de nós. Outra paixão que tenho é o desenho, se bem que não tenho tido muito tempo para me dedicar a esta actividade. Com o objectivo de criar ilustrações para os meus livros, comecei também a dedicar-me às artes digitais – 3d, pintura digital, foto manipulação – actividade artística a que mais me tenho dedicado nos últimos 2 anos.
Mas a arte e criação não são as únicas paixões da minha vida. Pratico Bujinkan Budo Taijutsu, uma arte marcial tradicional japonesa que, infelizmente, ainda é pouco conhecida no nosso país mas é simplesmente magnífica, sendo para mim mais um modo de estar na vida que um desporto. E entrando neste assunto, procuro viver do modo mais natural e equilibrado que me é possível. Faço uma alimentação baseada na dieta macrobiótica e tirei vários cursos sobre cura natural ao longo da minha vida como forma de saber cuidar da minha saúde do modo mais natural possível. Muitas coisas que aparecem no meu livro, mesmo que fantasiadas, são baseadas em conhecimento que fui adquirindo neste meu percurso de vida marcado pela criatividade, pelo amor pela natureza, por um estilo de vida natural e pela prática (não só física mas também mental) de Budo Taijutsu.

2 – Como surgiu a ideia para escrever esta obra?

Não foi propriamente uma ideia que me surgiu, não foi algo planeado ou projectado, mas antes algo que foi acontecendo e fluindo até que um dia percebi o que tinha nas minhas mãos. Eu sempre adorei escrever e já em criança escrevia imensas histórias. Para além disso, a minha cabeça estava sempre cheia de histórias e fantasias, o que nem sempre tornava fácil “ter os pés assentes na terra”. Quando acabei o curso de escultura não tinha qualquer perspectiva de trabalho e, pela primeira vez desde que iniciei os meus estudos, não tinha nada obrigatório para fazer. Perdia assim imenso tempo apenas viajando na minha cabeça. Começar a escrever essas fantasias começou por ser como que uma terapia para mim. Escrever o que imaginava era um modo de estar em actividade aqui, neste mundo, ao invés de simplesmente me perder em devaneios mentais. À medida que o tempo foi passando, fui-me apercebendo que a história crescia e uma estrutura bastante forte aparecia. Até que um dia percebi que tinha em mãos uma história fantástica. Nesse momento revi tudo o que tinha escrito e comecei a dedicar-me a esta obra de um modo mais sério, sabendo que seria um livro.

3 – O que é que a motiva e inspira na criação destes Mundos de Fantasia?

A maior motivação que tenho é mesmo o quanto adoro criar estes mundos. É algo indescritível. Não é só a criação de uma história, é a criação de tudo o que diz respeito a este mundo, mesmo coisas que podem não estar explicitamente na obra. Para além de criar o mundo em si através de mapas, tem que se criar a cultura, o modo de vida, as linhagens, as relações causa-efeito, a língua… É inexplicavelmente fascinante! Na realidade, tenho já vários textos escritos sobre eventos que antecedem a história que se vai desenrolar n’ “A Era dos Elfos”. São muitas vezes necessárias para que eu própria tenha noção do porquê de certas coisas serem como são neste mundo. A única forma de um mundo criado fazer sentido é ter em atenção a todos os pequenos pormenores que o definem como ele é. Mais do que simplesmente criar uma história é-me necessário “viver” este mundo como uma realidade.
Em relação ao que me inspira… acho que tudo! Claro que cada mundo tem mais de umas coisas que de outras. No caso d’ “A Era dos Elfos”, a natureza e a vida em harmonia com ela é a inspiração máxima. Há um outro mundo que vou criando lentamente à medida que vou tendo tempo que é mais inspirado no meu conhecimento de artes marciais e do estilo de vida guerreiro. Mas para o desenrolar das histórias, acho que é a própria vida, com todos os seus pequenos-grandes detalhes e acontecimentos que me inspira.

4 – Quais as maiores dificuldades que sente em relação à promoção da Cultura em Portugal?

Posso apenas falar em relação à parte literária. Não é fácil para um novo autor ser publicado em Portugal (pelo menos sem ter que pagar para isso) e é praticamente impossível ser-se publicado por uma grande editora antes de se ter alcançado sucesso. No entanto, isso não me parece estranho. O povo português, no geral, não tem grandes hábitos de leitura pelo que a escolha de que livros publicar tem que ser minuciosa. Claro que grandes autores conhecidos mundialmente são uma escolha mais segura que um pequeno autor desconhecido. Isso faz com que muitas vezes novos autores tenham que se sujeitar a situações que não são as mais agradáveis. Para ser sincera, no meu caso, e tendo o meu primeiro livro sido publicado há apenas 3 meses, não me posso queixar muito. Tenho feito várias apresentações e até já fui convidada para alguns eventos em escolas, inclusive fazer um curso de escrita criativa para os alunos. Talvez daqui a uns anos, quando o meu conhecimento sobre este meio foi maior, possa dar uma resposta elucidativa.

5 – A Era dos Elfos – Livro I – Prelúdio de Mudança é o primeiro livro de quantos?

Para ser honesta não sei muito bem, mas serão bastantes à partida. Esta é a história de toda a Era dos Elfos, desde o seu início à sua queda. Claro que haverá saltos no tempo mas, mesmo assim, será uma longa saga.

6 – Além da Escrita , encontra-se de momento envolvida em mais algum projecto cultural?

Não. Entre o meu trabalho (é-me impossível sustentar-me com as minhas criações apenas), a escrita, a arte e a Bujinkan, não me sobra muito tempo para me envolver em projectos culturais. Todo o tempo que tenho livre é para treinar e criar.

7 – Que planos tem para o Futuro? Pretende continuar a escrever?

Planos para o futuro, continuar a fazer o que adoro. Continuarei a escrever, continuarei a aprender mais e mais de modo a melhorar as minhas ilustrações, continuarei a criar, continuarei a treinar, continuarei a evoluir… e continuarei a fazer tudo ao meu alcance para levar as minhas criações mais longe, os meus livros a outras línguas e países, esperando um dia poder viver unicamente de e para este(s) trabalho(s).

—————————————————————————————————————————

“A Era dos Elfos” encontra-se à venda na Bertrand e também em Bebook.  Nós estamos desejosos de ter o nosso nas mãos! Obrigado Tânia pela amabilidade, desejamos os maiores sucessos e que acima de tudo seja feliz com aquilo que mais gosta de fazer 🙂

APOIEM OS AUTORES PORTUGUESES.

Entrevista a Cristina Costa, autora do Livro “Proibido Comparar” – Edições Vieira da Silva

Hoje trazemos a entrevista a Cristina Costa, autora do Livro “Proibido Comparar”, Edições Vieira da Silva. Em “Proibido Comparar”, Cristina Costa conta-nos a sua história, a de uma Mãe com 4 filhos, dois na Terra e dois no Céu. Proibido Comparar é uma história de morte, de consecutivos lutos, mas também uma história de vida, de relações criadas e amplificadas. Representa uma tocante prova do amor incondicional de uma mãe pelos seus filhos. Traduz um percurso, uma viagem, uma brutal revelação de sentimentos e vivências aos quais é impossível ficar indiferente.
O testemunho de Cristina é um grito de revolta, a necessária chamada de atenção para a árdua vivência dos pais que são assolados por uma ou mais situações de morte fetal

1469761_650463024976469_1015918036_n

Antes demais muito obrigado por aceitar esta pequena entrevista ao nosso Blog. Gostaríamos de saber mais sobre si e sobre a sua obra e com isso ajudar também na divulgação da mesma de forma a que chegue a muitos lares portugueses.

BibliotecaMil: Antes demais, gostaríamos de a conhecer melhor Cristina, fale-nos um pouco sobre si

Cristina: Nasci a 22 Maio de 1970 em Lisboa e desde cedo mostrei gosto e aptidão para as artes, mas abdiquei dos meus sonhos para integrar no mercado de trabalho. Fui empregada balcão, telefonista, criativa, formadora e actualmente bancária. Tenho quatro filhos e vivo com dois deles, os outros dois vivem no céu. Adoptei mais dois. (cadela e gato). O meu tempo é dividido entre o trabalho a maternidade e a escrita. Posso dizer que sou feliz!

BibliotecaMil: O que a levou a escrever ” Proibido Comparar” ?

Cristina: Depois da minha ultima perda gestacional fiquei com muito medo de voltar a engravidar, mas se tal acontecesse gostaria de escrever um diário da gravidez onde pudesse registar todos os momentos com o meu filho/a no ventre pois caso tivesse nova perda teria a memoria e recordação de todos os momentos vividos com ele/a. A morte de um filho que não nasceu deixa um vazio enorme, foram construídos sonhos e projectos futuros e não restou um único momento de recordação. Na minha última gravidez que resultou no nascimento do meu filho João, há dois anos atrás, não consegui concretizar o meu propósito, pois foi uma gravidez muito emotiva e muito receosa. Após o nascimento do João decidi que iria colocar em livro as minhas vivências não só para ajudar as mães e pais que passam por esta situação mas também para dar esperança. Há uma luz ao fundo do túnel!

 

10463040_762778563744914_3199621561156324515_n

 

BibliotecaMil:Acha que ao abordar a temática da perda gestacional, de como lidou com isso, ajuda quem passou ou passa pelo mesmo?

Cristina: Tenho a certeza que sim. O sentimento de solidão de incompreensão é tão grande que o simples facto de saber que não sou a única, que os meus sentimentos e acções são normais e comuns a todas as mães que passam por este infeliz acontecimento serve, de alguma forma de conforto e faz-nos sentir mais “normais”.

BibliotecaMil: Como tem sido a opinião pública referente á sua obra? Tem tido o sucesso desejado?

Cristina: Tenho tido alguns feedbacks positivos. A perda gestacional é um tema muito sensível de certa forma tabu pelo que a divulgação e adesão a alguns dos eventos realizados é restrita. O sucesso é algo muito efémero… para mim é sucesso ser abordada por uma mãe que quer comprar o livro ou que simplesmente agradece o facto de ele existir.O facto de saber que com o meu livro ajudei de alguma forma uma pessoa é sem dúvida muito gratificante.

BibliotecaMil: Pensa em escrever mais algum livro? Que planos tem para daqui em adiante?

Cristina: Gostaria de voltar a escrever outro livro futuramente. Actualmente tenho dedicado algum tempo a pequenos contos e poesia. Tenho um projecto de um livro infantil aprovado para edição se tudo correr bem será lançado no final deste ano.

BibliotecaMil: Onde é que podemos encontrar o seu livro? Vai estar presente em algum evento?

Cristina: O livro pode ser adquirido em várias livrarias como por exemplo na Livraria Barata em Lisboa, na Livraria Apolo 70 em Lisboa, na Bertrand através de encomenda, na FNAC, na RG livreiros em Cascais e M J BOOKS em Mafra.

Também está disponível nos seguintes sites:

http://www.wook.pt/ficha/proibido-comparar/a/id/15653237

http://www.livapolo.pt/buscalivro/1/0/proibido+comparar

http://www.bertrand.pt/ficha/Proibido%20Comparar?id=15653237

http://edicoesvieiradasilva.pt/content/proibido-comparar-o-luto-e-dor-de-uma-perda-gestacional

O PVP é 10 Eur e os direitos de autor 10% do PVP revertem para a ajuda de berço.

Relativamente a eventos futuros ainda não está nenhum agendado.

Têm sido organizados alguns eventos em parceria com “O canto da Psicologia”, onde para além da apresentação do livro é criado um debate sobre o tema com a participação de alguns psicólogos do Canto da Psicologia.

Realizamos um na Livraria Barata em Lisboa e outro na FNAC do C.C. Vasco da Gama.

Possivelmente após o período das férias de verão irá surgir um novo evento.

Gostaria de realizar um evento no Norte e Sul do país para poder proporcionar a oportunidade a mais pessoas.

———————————————————————————————————————————————-

Mais uma vez muito obrigado pela entrevista, é muito gratificante podermos partilhar estas experiências de vida com o Mundo, podermos ajudar alguém que esteja na mesma situação que nós. Obrigado Cristina por tudo aquilo que tem feito e fazemos votos de muito sucesso e que realize tudo aquilo que deseja.

 

Entrevista a Madalena Silva e Opinião a “Renascida” – Chiado Editora

Boa tarde. Hoje trazemos a opinião ao livro “Renascida” e entrevista exclusiva à autora Madalena Silva.

ENTREVISTA:

10484794_721774737869308_3508377622644491050_n

 

Olá Madalena e desde já os nossos agradecimentos por ter aceite dar-nos esta pequena entrevista. Sabemos que tem tido uma vida agitada e que o seu livro está a torna-se um sucesso, pelo que gostariamos de saber um pouco mais sobre o livro e sobre si.

 

BibliotecaMil – Antes demais, fale-nos um pouco sobre si, quem é a Madalena?
MADALENA: Chamo-me Maria Madalena Silva, nasci numa aldeia perto de Mirandela, há 45 anos.
Desde cedo comecei a sentir que a aldeia não se identificava comigo, as mentes das pessoas, eram demasiado antiquadas e para a minha maneira de pensar e ser…sonhei desde cedo sair de la, procurar outra vida, outras mentes diferentes…dai que aos 18 anos, deixando a minha querida mãe lavada em lágrimas, dado que sou a mais nova de 3 irmãs, bati o pe e fui trabalhar para o Algarve, mas as saudades bateram tao forte que 1 ano depois regressei a casa dos meus pais.
Por la permaneci, cerca de mais 1 ano, mas novamente a vontade de ter uma vida diferente, levou-me a vir atrás de uma irmã a mais velha para Lisboa.
Onde permaneci ate hoje, há 25 anos.
Comecei a trabalhar aos 16 anos, fui fazendo de tudo na minha vida, e como só fiz o 6 ano em Mirandela, mais tarde tudo fiz para aos poucos fazer o 12 ano, fui tirando cursos, e trabalhando em diversas áreas.. sou muito lutadora, muito sensível, e o meu mal tem sido acreditar de mais na felicidade, nas pessoas…o meu passado levou-me a ser agora mais ponderada em muitas coisas na vida, continuando com os meus erros de ser humano.

BibliotecaMil – O que a levou a iniciar-se no Mundo da escrita?
MADALENA:  Escrevo desde miúda, desde que me lembro de ser gente…escrevia muitos poemas principalmente, e versos, a minha querida mãe pedia-me vezes sem conta para lhe ler…
Adorava teatro, escrevi ainda para actores, e realizadores para vir para Lisboa, para ser actriz.
Sonhava ser conhecida, pelo que mais amava fazer, que era escrever e representar…fui ainda figurante algum tempo…
Ate que o ano passado, após muita insistência da parte da minha melhor amiga, que é psicóloga, decidi dar o passo e escrever o tão sonhado livro…gostava de ter escrito algo que não fosse ter que ver com a minha vida, mas sabia que este tema, seria o passo para o sucesso, e como era ajudar pessoas, não hesitei.

BibliotecamMil – “Renascida” é uma história real, uma história de vida, da sua vida, quer falar-nos um pouco sobre isso?
MADALENA: RENASCIDA, é a minha historia real de vida, no qual conto a violência domestica que vivi durante mais de 10 anos, e a minha imensa luta pela libertação.
Com 1 filho para criar, acreditando no conto de fadas, no amor para sempre, fui sofrendo horrores que só quem lê o livro poderá descobrir quanto…
Fui vitima de maus tratos físicos e psicológicos, que me deixaram marcada para o resto da vida, no entanto lutadora como sou, continuo a sobreviver, a acreditar e a ter fe e esperança.

BibliotecaMil – Quais são os seus objectivos de agora em diante? Pensa em continuar a escrever?
MADALENA: Posso fazer mil coisas na minha vida, gostando mais de umas que outras…mas, após o sucesso de RENASCIDA, não tenho duvidas que voltarei a escrever, e vou tentar lançar já no próximo ano o segundo livro, que tenho a certeza que terá ainda mais sucesso.
Porque escrever,sobre historias reais, é mesmo a minha maior paixão, lamento não serem historias mais bonitas, mas esta e de fato a nossa realidade.

BibliotecaMil – Onde podemos adquirir o seu livro? Vai estar em algum evento brevemente? Como foi estar na Feira do Livro de Lisboa?
MADALENA:  Este é o link do meu livro, de tudo que fiz ate agora sobre ele. Lá encontram toda a informação de como e onde adquirir o meu livro assim como os eventos onde já estive e vou estar. O mais indicado e que aconselho e mesmo pedirem por mens. privada no meu Facebook e envio pelos correios para qualquer canto do mundo, autografado. Adorei estar na feira do livro, foi mais um momento lindo e único na minha vida.Espero estar no dia 5 de Julho num concerto do Tony Carreira em Odivelas, para lhe entregar pessoalmente o meu livro, dado saber que e defensor da violência domestica.Tenho outros convites, mas alguns recuso, porque não tenho sempre apoios e sozinha não tenho meios muitas vezes.

575390_626193110760805_442143540_n

Mais uma vez obrigado por aceitar o nosso convite.

Obrigado pela coragem, por não desistir e por poder ser uma inspiração para muitas mulheres portuguesas.

 

Opinião “Renascida”

9789895105106p

Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 98
Editor: Chiado Editora
ISBN: 9789895105106

Sinopse:
Esta obra reflete acima de tudo até quximae ponto a maldade humana pode chegar. Até que ponto alguém vítima de violência doméstica pode amar e sofrer como se fossem ingredientes inseparáveis.
A autora conta-nos em linguagem simples o que tantas mulheres e homens passam na sua vida. Mais do que o sofrimento aqui espelhado é a história de sobrevivência e coragem de alguém que nunca desistiu.
Tu, desse lado, não desistas nunca!!! Pois dos desistentes não reza a história!

Opinião:

Ler esta obra foi um desafio. A temática da violência doméstica impressiona-me de tão real que é. De tão próxima que foi.Após ter entrevistado a Madalena Silva, a autora desta obra vivida por si (entrevista a ser publicada já a seguir), lancei-me ao livro.A obra mostrou ser aquilo a que se propõe, um registo pessoal em primeira pessoa daquilo que a Madalena viveu, as palavras escolhidas são as de uma mulher, mãe, autora, lutadora, cheias de emoção e simbolismo. Uma escrita simples, e de fácil leitura.

Neste livro a Madalena descreve como foi viver ao lado de um homem durante 12 anos, mas sem nunca na realidade ter verdadeiramente “vivido” mas sim sobrevivido.

Ao longo do livro vai crescendo uma indignação, um sentimento de puro desprezo por esse homem e uma aflicção por ver que no meio de tanta violência exista uma criança, exista um ser puro e inocente. E aquela pergunta que nos assola a mente, desde o inicio, que é “Porque é que não o largaste antes, porque é que passaste e te sujeitaste a isso tudo?”
Este é uma leitura quase obrigatória para todas as pessoas. Leiam por favor, e se em algum momento se identificarem com o que estão a ler, coloquem-se em alerta imediato. O flagelo da violência doméstica é cada vez maior e acaba cada vez mais vezes em tragédia.
Espero que este meu relato vos faça ter vontade de ler este livro, vos faça ter vontade de ler a história da Madalena e de como ela conseguiu superar este capitulo da sua vida. Porque se ela conseguiu, sob todas as adversidades, todos nós conseguimos. Basta termos fé e força de vontade.

Obrigado Madalena pela coragem e pela oportunidade de ler a sua obra e claro pela entrevista. Um grande Bem-haja!

Mónica & Gustavo Mil-Homens