Category Archives: Reviews

Opinião – Do Outro Lado de Mafalda Santos – Suma de Letras

ISBN: 9789897846021
Editor: Suma de Letras
Ano: 2022
Idioma: Português
Páginas: 272
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 9789897846021

Sinopse:

E se não existisse apenas uma realidade?

Uma história de amor, um vírus mortal, uma mentira avassaladora. Gabriel e Sara conheceram-se e imediatamente apaixonaram-se. Viveram uma semana de amor até que Sara desapareceu. E com ela a rua dela, o prédio onde vivia, tudo. Gabriel procura-a, desesperado.

Terá sido um sonho? Uma psicose? Estará louco? Todos lhe dizem que sim, mas a verdade é bem mais inacreditável: a realidade onde vive não é a única. Não há um Universo, há multiverso. No mesmo tempo, no mesmo mundo, mas noutra realidade bem mais doentia, está Sara, à espera de Gabriel, que desapareceu.

Opinião:

Quem me conhece sabe o quanto sou viciadíssima em distopias, e quando tomei conhecimento da obra da Mafalda Santos nem pensei duas vezes em ler. Não me desiludi.
Estamos presentes uma narrativa absolutamente maravilhosa, cheia de elementos para mim já bastante familiares, mas ao mesmo tempo com o toque da Mafalda tudo se diferenciou e tornou único. Uma história de amor, que na realidade é uma história do egoísmo humano, da necessidade de afagar egos, da necessidade de apaziguarmos a nossa mágoa causando dor aos outros. Uma história de sobrevivência, em Mundos tão diferentes, mas tão iguais, afinal são ambos habitados por humanos, e bem sabemos que a humanidade falhou, falha e falhará vezes e vezes sem conta no que compete a solidariedade, empatia e falta de discernimento quando o “cerco” aperta. Geralmente em mundos distópicos podemos ter pequenos vislumbres do que será ou poderia ser o Mundo em que vivemos atualmente daqui a uns séculos, mas aqui, com a temática pandémica tao presente, podemos mesmo vislumbrar verdades e realidades mais que adquiridas. Gabriel e Sara representam dois Mundos diferentes, mas iguais, em que a maioria só acha que vê o bem maior quando na realidade esse bem maior está dentro de cada um de nós e das nossas atitudes. E tudo o que efetuamos seja neste Mundo ou nos que a Mafalda criou tem consequências. Terminei o livro obviamente a querer mais, que belíssima escrita, fluida, sem paragens, atrevia-me a dizer que é história para uma brilhante trilogia e que existe abertura para tal. Obrigado pela leitura Mafalda, e quero mais!

A Autora:

Mafalda Santos nasceu em Lisboa em 1982. Filha de mãe professora e pai jornalista, teve desde a infância uma ligação profunda com a palavra escrita, nas suas mais diferentes formas literárias. Com 12 anos, foi pela primeira vez ao teatro, e apaixonou-se. Fez o curso de Interpretação da Escola Profissional de Teatro de Cascais e, posteriormente, licenciou-se em Teatro/Encenação, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Hoje, a sua atividade profissional estende-se por diversas áreas: guionista de teatro e televisão, atriz, encenadora e professora de Interpretação.

Advertisement

Opinião – O Diabo de Gonçalo M. Tavares – Bertrand Editora

ISBN: 9789722535717
Ano de edição: 09-2022
Editor: Bertrand Editora
Páginas: 200
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance

Sinopse:

O Diabo, pela mão de Gonçalo M. Tavares, vem juntar-se ao mundo literário das Mitologias, um universo habitado por personagens que se movem num tempo e espaço indeterminados onde o referencial é aquilo que nos vai sendo contado. Aqui a verdade científica e a sua lógica pouco importam. Dotados dessa ampla liberdade, os leitores deambulam entre narrativas fantásticas que tanto actualizam explicações para um mundo em que vivemos como retratam traços marcantes da natureza humana que o habita.

É um espaço imaginário onde, entre muitos outros, se entrecruzam o diabo, a escola, os corvos e o trator, as palas com todas as suas limitações e virtualidades, o cemitério de aviões e a loucura, os direitos dos homens, o Grande-Armazém, o Povo-Armazenado, os três fios vermelhos, os Doze-Apóstolos, a canalização, os piolhos, o crânio de Olga, os nomes, Paris, os Nómadas, o Comboio e os Meninos, o Homem-que-Quando-Fala-Não-se-Entende-Nada, o crescimento de Alexandre (a linha recta). É um mundo de histórias e possibilidades quase infinitas em que um espaço ou uma máquina se podem transformar em personagem, mas é também um universo onde encontramos valores fundamentais, território privilegiado do mito, como o bem e o mal, o medo e a coragem, a tranquilidade e a violência, o desconhecido e o familiar.

Opinião:

Leitura absolutamente fabulosa. Não há, nem tenho necessidade de vos dizer LEIAM POR FAVOR porque o próprio livro parece que já nos leva a isso só de olharmos para o mesmo. É verdade que ajudou bastante ter ido à apresentação da obra e ter ouvido o autor a explicar, a falar sobre o livro, mas li num serão, de rajada sem conseguir largar. Mas afinal quem é O Diabo? Sou eu? São vocês? É a humanidade travestida de maldade? É tudo e é nada é o que aprendemos com esta obra. O Diabo tem a força e é aquilo que a nossa índole quiser que seja. Pertencendo ao grupo literário das Mitologias do autor, encontramos personagens que tudo nos dizem e nada falam, mas agem como se tudo fosse real, mas sem o ser. Confuso? Nada mesmo, basta lerem para entenderem. A maldade está por todo o lado em todos nós e julgo que aqui, nesta obra conseguimos entender bem que tudo o que pensamos, fazemos, atraímos para tudo o que nos rodeia.
Fica aqui o link para a Reportagem/apresentação do livro e leiam por favor, o Gonçalo é um escritor brilhante com uma mente ainda mais brilhante e agora quero ler mais dele (que esta obra foi a minha estreia).

Fica também um dos meus excertos preferidos do livro:

O Autor:

Gonçalo M. Tavares nasceu em 1970. Desde 2001 publicou livros em diferentes géneros literários e está a ser traduzido em mais de 50 países.
Os seus livros receberam vários prémios em Portugal e no estrangeiro. Com Aprender a rezar na Era da Técnica recebeu o Prix du Meuilleur Livre Étranger 2010 (França), prémio atribuído antes a Robert Musil, Orhan Pamuk, John Updike, Philip Roth, Gabriel García Márquez, Salman Rushdie, Elias Canetti, entre outros.

Opinião – Os Santos e os Outros – Intimidades de Manuel S. Nunes – Emporium

Sinopse:

A arte não se intimida quando é livre e se desnuda. A literatura erótica também não quando tem por desígnio, mesmo que controverso, despertar ou incendiar a imaginação dos adultos. Os desencontros, a rotina da vida moderna e a sexualidade cinzenta leva a que os personagens de “Os Santos e os Outros” reclamem por transgressões, fantasias e novos caminhos para o seu próprio prazer e satisfação.

Opinião:

Ler de mente aberta. Ler sem pudores ou culpas. Afinal estamos perante uma obra erótica.
Estamos presentes uma obra tão do autor como nossa, do vizinho da frente, da colega tímida de trabalho, do machão do bar ao fim da rua.
É a história de tantos e de muitos. Dos segredos bem guardados, dos tabus, dos dogmas pré criados desde que nascemos. Somos ensinados e empurrados para algo que é contranatura e que nos controla e condiciona. O ser Humano é um ser sexual, cheio das mais diversas fantasias, desejos, luxuria. Mas a maioria não se permite, a maioria segue como pequenos zombies em fila aquilo que lhes foi ensinado, o que “parece bem” e a maioria de nós sabe como isso acaba. Como desgasta e afasta casais, como é motivo (inválido) para infidelidades e destruição de relacionamentos que tinham tudo para dar certo. Relações saudáveis não sobrevivem sem componente sexual.
Nesta obra, e desafio-vos a ler sem dúvida não acredito que não há ninguém que não se identifique com algo, com alguma frase, passagem, ação das personagens. Quantos de nós já pensámos, nem que seja sequer na hipótese que existe mais e que pode ser tudo efetuado sem maldade, sem dolo, sem culpabilização.
Mas sim, existe a culpa e a consciência. E é mesmo isso que nos trava e nos faz também ser racionais quando temos que o ser, de forma a não magoar ninguém e a não levar alguém a fazer algo com a qual não se sente confortável. É imperativo diálogo e constatarão nesta bra o quão importante isso é.
Ambos lemos o livro e não podemos deixar de nos ter identificado com tanta coisa, com um casamento há quase 10 anos, sem filhos. E é bom ler de vez em quando algo diferente, algo que nos puxe pela imaginação e nos apure os sentidos.
Eu li o meu primeiro romance erótico com 11 anos, “Tal Mãe, Tais Filhas” de Pierre-Félix Louÿs, já o voltei a reler várias vezes ao longo da minha vida adulta e as interpretações foram todas diferentes, mas a curiosidade, o fascínio, esse existiu sempre.
O Autor escreve através de pseudónimo, mas queremos parabenizar pela coragem e pela obra em si que ambos gostámos imenso.
Obrigado pelo exemplar, e pela oportunidade de leitura.

Podem adquirir o livro aqui, sendo que é uma edição de autor.

Manuel S. Nunes
Nascido em 1965, o Manuel S. Nunes (pseudónimo) é um tipo normal. Espécime urbano, com raízes rurais, fez de tudo um pouco na vida e atualmente, entre muitas coisas, é professor. Casado e pai de filhos, o que escreve não tem tanto a ver com a sua própria vida, mas com o que tem aprendido ao longo do tempo. Gosta de viajar, gosta de música e não passa um dia ser ler algo de novo. Talvez por causa das suas leituras, muita delas, de autores completamente amadores, escreve com a intenção de colocar o leitor no centro da ação, dentro de cada uma das suas personagens. Com vários livros técnicos publicados, este é o primeiro conto que publica sob pseudónimo.

Divulgação Porto Editora – A Aldeia das Almas Desaparecidas – Richard Zimler

Opinião – A Espia do Oriente , Edição de Colecionador de Nuno Nepomuceno, Cultura Editora

Sinopse:

Um atentado iminente. Um segredo enterrado no passado. Um homem e uma mulher que se odeiam, forçados a trabalhar juntos.

A gozar de uma licença de serviço por motivos de saúde, o diretor do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, um espião ocasional, é chamado de regresso ao ativo. Um cientista foi raptado e um atentado afigura-se no horizonte, ameaçando o equilíbrio político da Europa.

Porém, quando uma mulher enigmática, cujo nome e passado são mantidos em segredo, se oferece para trabalhar com o espião português, o mistério adensa-se. Ela tem no seu historial vários furtos e homicídios, mas será ele capaz de resistir à tentação da sua beleza exótica e invulgar?

Entre cenários tão variados quanto cosmopolitas de locais como Courchevel, Budapeste, Dubai e Lisboa, A Espia do Oriente é um thriller psicológico de leitura compulsiva, que nos transporta para uma teia complexa de mentiras, traições e reviravoltas inesperadas, como só Nuno Nepomuceno consegue criar.

Opinião:

Esta opinião por incrível que pareça está a ser das mais difíceis para mim de escrever, e estou mesmo no final do prazo para a mesma e ainda com dúvidas do que efetivamente quero transmitir. Mais honesta que isto é impossível.

Antes demais eu reli a primeira edição toda de novo e obviamente li a nova edição de colecionador. E Nuno, que trabalhão me deste para descortinar as pequenas pérolas que deixaste nas alterações que fizeste que só quem leu o primeiro de forma entusiasta como eu se aperceberia e aperceberá. Na minha modesta opinião esta versão é a versão a ser lida sem qualquer dúvida. Mais polida, madura e completa.

A minha opinião relativamente à obra mantém-se. Vou parafrasear o que já escrevi anteriormente e “A perfeição existe. E o Nuno escreveu-a! A Espia do Oriente é, a par com o “irmão” mais velho “O Espião Português” do melhor que eu li no que compete a literatura Nacional. Julgo que ainda estamos a anos luz de os leitores portugueses darem oportunidade a este género produzido por autores portugueses, mas o Nuno consegue sem dúvida primar pela diferença e pela genialidade de conteúdos.”

Considero que o respeito pela personagem principal desta trama foi consideravelmente refeito nesta edição (muito menos china girl e muito mais Megan Wu) e de forma bela, dedicada e dá para entender que é uma personagem muito querida para o autor e que precisava mesmo deste amor para ser melhor entendida e “compreendida”. Continuando com o que já escrevi anteriormente “A personagem principal e de foco neste segundo volume da Trilogia Freelancer é a misteriosa China Girl, a asiática enigmática que fez com que a vida de André mudasse no volume anterior. É-nos revelado tanto o nome verdadeiro dela como toda a sua história e é um crescendo de emoções e de muitos “Ohhh, ahhhh, não pode ser” enquanto a história avança. A realidade da história da nossa Espia é de tal forma tão “real” que sentimos uma empatia por ela, uma compaixão que nem todos conseguem transmitir. André é coprotagonista (como não poderia deixar de ser) e continua a ser apaixonante ler o percurso dele, apaixonante vermos a evolução do mesmo e aquilo que sentimos que ainda está para vir. Todo o núcleo em torno do André Marques-Smith é forte, coeso e teve uma evolução muito positiva neste segundo volume. Assim como a sua garra, perseverança e medos. Sim, medos. Medo do desconhecido. Do futuro. Do não futuro. E acrescento que a forma como os capítulos estão nesta nova edição fazem mais sentido para a trama em geral.

Mais uma vez, e não é ser tendenciosa, é ser mesmo fã da escrita e dedicação do Nuno a 1000% em tudo o que se compromete, não consigo apontar falhas a este livro, pelo contrário, foi um upgrade fenomenal à primeira edição, com bons easter eggs. é aquela leitura que eu acho OBRIGATÓRIA a todos os fãs de uma boa Ação, cheia de glamour, amor, traição e confiança. CONFIANÇA. A palavra que mais me custa deixar escrita nesta opinião.

Vamos continuar todos a apoiar o Nuno e a sua obra, agora já com toda a Série Afonso Catalão Editada e não se coíbam de recomendar, oferecer, divulgar. Porque o que é nacional é bom, e a trilogia Freelancer ainda é melhor. E o Nuno, escritor Nacional, é dos seres mais humanos, humildes e talentosos que eu tenho o prazer de conhecer pessoalmente desde 2013.

Para mais informações, não deixem de consultar a página oficial do autor aqui.

Os meus agradecimentos à Cultura Editora pela cedência deste exemplar para leitura antecipada, e o livro encontra-se à venda já a partir de amanhã 13 de Outubro de 2022 em todos os locais habituais.

O Autor:

Nuno Nepocumeno

Nasceu em 1978. É autor da série bestseller de thrillers psicológicos Afonso Catalão, com a qual foi N.º1 de vendas nacional, de duas séries de ficção em formato podcast e de diversos contos. Nomeado para vários prémios, incluindo o de Ficção Lusófona 2019 das Livrarias Bertrand com A Última Ceia, onde foi finalista, notabilizou-se em 2012, quando venceu o concurso literário Note! com a obra O Espião Português, o seu primeiro livro, que a Cultura Editora reedita agora, numa nova versão revista e repleta de capítulos inéditos. É representado pela Agência das Letras. Para mais informações, consulte o site oficial do autor: http://www.nunonepomuceno.com, ou o microsite da trilogia: http://www.trilogiafreelancer.com.

Opinião (Bilingue) Destinos de Paixão de Nora Roberts – Saída de Emergência

Chancela: Chá das Cinco
Data 1ª Edição: 06/07/2018
ISBN: 9789897103186
Nº de Páginas: 288
Dimensões: [160×230]mm
Encadernação: Capa Mole

Sinopse:

Nora Roberts apresenta-nos três histórias de paixão onde é impossível fugir ao destino

Em Hora do Feitiço, o reino de Twylia é devastado pela ganância e pela traição enquanto aguarda pela libertação há muito profetizada. Quando Aurora, perseguida por estranhos sonhos sobre o futuro, descobre o segredo sobre o seu passado, sabe que está destinada a combater pelo seu reino e a destruir as Trevas. Conseguirá ela salvar Twylia e restaurar o seu direito ao trono?

Deirdre, a protagonista de Rosa de Inverno, é uma jovem amaldiçoada, incapaz de amar e presa num mundo onde o inverno é permanente. Quando ela cura milagrosamente as feridas mortais de um jovem soldado, este é incapaz de resistir à sua salvadora. Mas o inverno cruel e impiedoso mantém as suas garras sobre Deirdre e nem o amor poderá ter a força de o quebrar…

Em Uma Terra Distante, Kadra é uma exterminadora de demóniosforçada a viajar para a Nova Iorque do século xx para caçar a sua presa. A sua improvável amizade com Harper Doyle leva-a a enfrentar um estranho mundo novo — e um homem que é o seu destino.

Opinião (Português)

Esta opinião vai ser mais curtinha porque não quero entrar em spoilers desnecessários. “Destinos de Paixão” consiste em três histórias distintas, todas elas passadas em cenários diferentes, mas “mágicos”. Ou seja, Nora Roberts no reino da Fantasia (exceto a última história, mas leiam) São sem dúvida três histórias de amor, de superação, de três mulheres guerreiras cujo poder é nada mais que a força do amor puro e eu diria que com um erotismo sensual e adequado ao tipo de narrativa que nos é apresentado. É uma leitura que dá vontade de devorar logo as três histórias de seguida, fluída e rápida. Eu adorei mesmo e recomendo vivamente, dei por mim ainda a dar umas valentes gargalhadas e a pensar que a Nora é mesmo, mas mesmo uma grande escritora que não há maneira de nos cansarmos de nada do que ela escreve.

Review (English)

This review will be shorter because I don’t want to get into unnecessary spoilers. “A Little Fate” consists in three different stories, all of them set in different but “magical” scenarios. Nora Roberts in the realm of Fantasy (except the last story, but go read!). There are undoubtedly three stories of love, of overcoming, of three warrior women whose power is nothing more than the strength of pure love and I would say that with a sensual eroticism suited to the type of narrative presented to us. It’s a read that makes you want to devour the three stories in a row, fluid and fast. I really loved it and highly recommend it, I found myself still having a few hearty laughs and thinking that Nora really is, but even a great writer that there is no way to get tired of anything she writes.

J. D. Robb é o pseudónimo de Nora Roberts, uma das autoras mais lidas, acarinhadas e respeitadas do mundo. Com mais de 400 milhões de cópias vendidas em todo o mundo e cerca de 90 bestsellers na lista do New York Times, Nora Roberts foi a primeira autora a ser convidada para o Romance Writers of America Hall of Fame. Nascida em Silver Spring, Maryland, é a mais nova de cinco filhos e vive em Keedysville, onde continua a escrever.

Observação: Mais uma vez alerto que não sou nativa em inglês e podem existir erros de sintaxe. Lamento desde já o incómodo causado.

Opinião (Bilingue) Sobrevivência Mortal – J.D Robb – Saída de Emergência – Série Mortal #20

Chancela: Chá das Cinco
Data 1ª Edição: 12/10/2018
ISBN: 9789897103209
Nº de Páginas: 384
Dimensões: [160×230]mm
Encadernação: Capa Mole

Sinopse:

A tenente Eve Dallas corre atrás de fantasmas enquanto protege a única sobrevivente de um crime inexplicável.

Eve Dallas pode ser a melhor polícia da cidade, mas o homicídio da família Swisher deixa-a num impasse. Sem ADN, pistas ou ligações criminosas, a única fonte de informação sobre o homicídio é Nixie Swisher, a testemunha de nove anos que se escondeu na cozinha.
Os Swisher foram assassinados com precisão militar. A segurança topo de gama foi violada e os criminosos utilizaram equipamento de visão noturna para entrar na casa. Dallas está claramente a lidar com profissionais. Este é um crime que tem de resolver rapidamente, não só devido à promessa que fez a Nixie, mas também para apaziguar algumas das suas memórias mais obscuras e medos profundos.
Mas será que Eve tem o que é preciso para impedir que os assassinos completem a sua missão?

Opinião (Português)

Antes de começar a escrever a opinião sobre este livro em si, queria falar um pouco sobre esta minha paixão sobre as aventuras e desventuras da Eve e do Roarke. Confesso que só comecei a ler a Série Mortal quando saiu pelo Saída de Emergência e só em 2010, mas nunca mais parei. Chegou a um ponto que já tinha lido todos os editados em português e comprei em inglês e li (agora já vou de novo com um atraso gigante das edições nacionais, mas pouco a pouco chego lá). Este carismático casal de policia e ex ladrão que se tornou milionário ambos traumatizados de infância, e todas as personagens recorrentes dos livros é de absolutamente ler e querer ler mais. Obviamente que existem uns que gostei mais que outros, que me tocaram mais por um motivo ou outro, mas por norma a qualidade de escrita, narrativa, história é sempre muito boa. Podem à vontade ler qualquer volume em qualquer ordem, no entanto podem sempre perder pequenos detalhes que os conhecedores da Série apanham com facilidade.

Relativamente então aqui a este volume, o nº 20 da Série, Sobrevivência Mortal é um dos que mais gostei até à data. É um caso bastante dramático, uma família toda assassinada de forma profissional, sem ADN, sem vestígios de nada e só uma criança sobrevive e por engano (matam a amiga da menina em vez da que tinham que matar) e infelizmente a criança assiste a tudo. Para Eve é tudo muito complexo porque ela não sabe lidar com crianças e acolhe a pequena na sua casa para a manter em segurança e ainda bem que existem a inspectora Peabody e o mordomo Summerset para a ajudarem nesse aspecto. E o Gato. Quanto ao caso em si, achei bastante complexo e difícil para toda a equipa de Eve mas com a super ajuda dos equipamentos de Roarke e a sua tenacidade os maus da fita acabam mesmo por ser apanhados, não antes de obviamente fazerem mais estragos e serem uns maus da fita estranhos, implacáveis e desprezíveis. Este volume dá-nos aquela esperança (até porque se vai abordar isso) que Eve e Roarke tenham planos para um filhote ou filhota e estou desejosa de ler mais porque isso é julgo eu o que todos nós queremos ler e assistir… esse próximo passo no relacionamento deles. Além de que tendo em conta toda a fragilidade deste caso, envolvendo uma criança e a extrema violência que a mesma teve que assistir, ficar órfã sem ninguém no Mundo fez com que Eve e Roarke repensassem em parte o que querem da vida deles também. E que são também eles uns sobreviventes. Fora as cenas picantes do costume, que são maravilhosas, recomendo vivamente a leitura deste livro, de TODOS os livros da Série Mortal, a Nora Roberts aka J.D Robb é uma escritora exímia e quanto a isso não há nada a fazer a não ser deliciarmo-nos.

Review (English)

Before I start writing the review for this book itself, I wanted to talk a little about this passion of mine about Eve and Roarke’s adventures and misadventures. I confess that I only started reading the Mortal Series when it came out through “Saída de Emergência” Publisher and only in 2010, but I never stopped. It got to a point that I had already read all the edited ones in Portuguese language and bought them in English and read them (now I’m going again with a giant delay in the Portuguese editions, but little by little I get there). This charismatic cop and ex-thief-turned-millionaire couple both traumatized from childhood, and every recurring character in the books is absolutely to read and want to read more. Obviously there are some books that I liked more than others, that touched me more for one reason or another, but we are used to the quality of writing, narrative, story always very good. You can freely read any volume in any order, however may always miss small details that connoisseurs of the Series easily pick up.

Regarding this volume, #20 of the series, Survivor in Death is one of my favorites to this date. It’s a very dramatic case, an entire family professionally hit murdered, with no DNA, no traces of anything and only one child survives and by mistake (they kill the girl’s friend instead of the one they had to kill) and unfortunately the child watches everything . For Eve it’s all very complex because she doesn’t know how to deal with children and takes the little one into her house to keep her safe and thankfully there are Inspector Peabody and Butler Summerset to help her in that regard. And the Cat. As for the case itself, I found it quite complex and difficult for all of Eve’s team, but with the super help of Roarke’s equipment and his tenacity, the bad guys end up being caught, not before obviously doing more damage and being a weird, ruthless and despicable bad guys. This volume gives us hope (it’s going to be mention in the book) that Eve and Roarke have plans for a child of their own and I’m looking forward to reading more because that’s what I think we all want to read and watch… that next step in the their relationship. Besides, given the fragility of this case, involving a child and the extreme violence that she had to witness, being an orphan with no one in the world made Eve and Roarke rethink in part what they want from their lives as well. And that they are also survivors. Aside from the usual spicy, hot scenes, which are wonderful, I highly recommend reading this book, of ALL the books in the Mortal Series, Nora Roberts aka J.D Robb is an outstanding writer and there is nothing to do but be delighted.

J. D. Robb é o pseudónimo de Nora Roberts, uma das autoras mais lidas, acarinhadas e respeitadas do mundo. Com mais de 400 milhões de cópias vendidas em todo o mundo e cerca de 90 bestsellers na lista do New York Times, Nora Roberts foi a primeira autora a ser convidada para o Romance Writers of America Hall of Fame. Nascida em Silver Spring, Maryland, é a mais nova de cinco filhos e vive em Keedysville, onde continua a escrever.

Observação: Mais uma vez alerto que não sou nativa em inglês e podem existir erros de sintaxe. Lamento desde já o incómodo causado.

Opinião/Review (Bilingue) Hope to Die de Cara Hunter

Sinopse:

Midnight.
A call out to an isolated farm on the outskirts of Oxford.
A body shot at point-blank range in the kitchen.


It looks like a burglary gone wrong, but DI Adam Fawley suspects there’s something more to it.

When the police discover a connection to a high-profile case from years ago, involving a child’s murder and an alleged miscarriage of justice, the press go wild.

Suddenly Fawley’s team are under more scrutiny than ever before. And when you dig up the past, you’re sure to find a few skeletons…

Opinião (Português)

Antes demais, “Hope do Die” ainda só existe em versão inglesa pelo que é dessa versão que vou dar a minha opinião. Absolutamente genial. Julgo que a Cara Hunter fecha com chave de ouro e começa o interregno da saga Adam Fawley com qualidade e acima de tudo uma incrível capacidade de quereremos ler mais e que definitivamente o Adam e equipa voltem depressa. E quem sabe a Daisy Mason? Fica a dica no ar.
Bom este livro é mesmo em vários pontos dos mesmo vários murros no estômago. Até porque retrata de forma nua e crua a justiça (ou injustiça) e os seus erros gravíssimos assim como o despreendimento total maternal, de forma que até a uma pessoa como eu que não sou mãe nem quero ser me custa sentir.
Um suposto assalto que corre mal a uma habitação com dois idosos, em que um deles alveja o suposto assaltante torna-se num apanágio de desgraça familiar, vergonha alheia e muito regresso ao passado indesejado e incrivelmente cruel. Um caso antigo, triste, cruel, e ainda em curso vem ao de cima e a equipa de Fawley vê-se a braços com vários dilemas e decisões difíceis.
São também apresentadas novas personagens integradas na equipa de Fawley, sendo que temos duas baixas, uma de peso, outra nem por isso e sentimos que estes novos membros vieram trazer sangue novo a esta equipa.
Adam e Alex rejubilam com os frutos da maternidade a paternidade e sente-se efetivamente que o abanão que sentimos na relação deles em livros anteriores foi completamente sanado.
Eu AMEI o livro, irei comprar a edição em português quando sair (se for traduzido pela querida Cláudia) e só posso recomendar mesmo a leitura em inglês porque vale todos os segundos de olhos postos nestas páginas.
Queremos mais Cara Hunter!
E sabemos que vem aí mais! Não da Saga Adam Fawley mas foi anunciado novo livro “Murder in the Family” já em pré venda na Amazon, e que promete e muito! Eu já reservei o meu e vocês?
Obrigado a todos os que ainda leem as minhas reviews, passem nas nossas redes sociais, dêem-nos o vosso apoio que tanto precisamos numa época em que escrever já não serve quase de nada. Mas nós vamos continuar apenas e apenas a escrever e não vamos vender a nossa imagem. Apenas ler e escrever-vos o que sentimos.

Review (English)

First of all, “Hope do Die” still only exists in English version, so it is about this version that I will give my opinion. Absolutely Great. I think that Cara Hunter closes with a great ending and begins the interregnum of the Adam Fawley saga with quality and above all an incredible ability that we will want to read more and that Adam and the team will definitely come back soon. And maybe Daisy Mason? The tip stays in the air.
Well this book gave me several punches in the stomach. Even because it portrays justice (or injustice) from the police and courts and life itself and its very serious mistakes as well as the total maternal detachment, so that even a person like me who is not a mother nor do I want to be find it difficult to feel bad about it.
A supposed robbery that goes wrong in a house with two elderly people, in which one of them targets and kills the alleged robber, becomes a hallmark of family disgrace, shame and a lot of return to the unwanted and incredibly cruel past. An old, sad, cruel, and still ongoing case comes to light and Fawley’s team is faced with several dilemmas and difficult decisions.
New characters integrated in Fawley’s team are also presented, and we have two casualties, one heavy, the other not so and we feel that these new members have brought new blood to this team.
Adam and Alex rejoice in the fruits of motherhood and fatherhood, and it really feels like the shake-up we felt in their relationship in previous books has been completely healed.
I LOVED the book, I will buy the Portuguese edition when it comes out (if it is translated by dear Cláudia) and I can only recommend reading it in English because it is worth every second of eyes on these pages.
We want more Cara Hunter!

And we know more is coming! Not from the Adam Fawley Saga, but a new book “Murder in the Family” has been announced already on pre-sale on Amazon, and that promises a lot! I already booked mine and you?

Thank you to everyone who still reads my reviews, check out our social media, give us the support we so desperately need at a time when writing is almost useless. But we’re just going to continue just writing and we’re not going to sell our image. Just read and write to you what we feel.

I’m sorry for some mistakes but my english is very rusty but i always try my best.

Cara Hunter é autora dos thrillers bestsellers, do Sunday Times Perto de Casa, No Escuro, Sem Saída e Pura Raiva, protagonizados pelo inspetor-chefe Fawley e a sua equipa de inspetores de Oxford. Perto de Casa, o primeiro bestseller desta série, foi também um dos títulos escolhidos pelo Richard and Judy Club Book e pré-selecionado para “Policial do Ano” nos British Book Awards de 2019. Sem Saída foi selecionado pelo Sunday Times como um dos cem melhores romances policiais desde 1945. A série Inspetor Fawley já vendeu mais de um milhão de exemplares em todo o mundo, e os direitos para a adaptação televisiva foram adquiridos pelo grupo Fremantle.
Cara Hunter vive em Oxford, numa rua não muito diferente das que são descritas nos seus thrillers.

António Mega Ferreira vence Grande Prémio de Literatura de Viagens – Porto Editora/Sextante Editora

Opinião – A Rapariga Sem Nome – Leslie Wolfe – Alma dos Livros

ISBN 9789898907745
Editor: Alma dos Livros
Idioma: Português
Páginas: 304
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Policial e Thriller

Sinopse:

Os olhos azuis vidrados, o belo rosto, inerte, coberto de cintilantes grãos de areia. Os lábios entreabertos, como que para libertar um último suspiro. Quem é a bela rapariga encontrada ao amanhecer numa praia deserta? Qual é o seu segredo?
A agente especial Tess Winnett, do FBI, procura incessantemente respostas. A cada passo, a cada nova descoberta, desvenda factos perturbadores que conduzem à mesma conclusão: aquela não foi a única vítima. O assassino que procuram já matou antes.

Escondendo também um terrível segredo, a agente Tess Winnett enfrenta os seus receios mais profundos, numa emocionante corrida para apanhar o assassino, que se prepara para acabar com outra vida. Descobri-lo-á a tempo? Será capaz de o deter? A que preço?

AS REGRAS DO JOGO MUDARAM.
TAL COMO A DEFINIÇÃO DE SERIAL KILLER.
TODOS DESEJAMOS TER ALGUÉM. MAS ESTAREMOS DISPOSTOS A MORRER POR ISSO?
A agente especial Tess Winnett é apaixonada, ousada, forte e temperamental. Não hesita em arriscar a vida, numa busca incessante por toda a verdade e por um seria killer cruel que anda a tirar vidas sem piedade. Inteligente, desenvolta e teimosa, Tess levará os leitores numa memorável e aterradora investigação neste empolgante e apaixonante thriller.

Opinião:

Primeiro livro que leio desta autora e começo logo por gostar muito da escrita da mesma. Curta e grossa como se costuma dizer. Peguei nele numa ida de urgência ao hospital que andava cheia de dores sem saber do quê e folheei enquanto esperava a minha vez. Não voltei a pegar nele, quis o destino que o tivesse na mão, também num hospital quando soube que o meu pai tinha tido um AVC. Apesar de estar a adorar o livro só peguei nele passado algum tempo, porque parecia que sempre que pegava nele acontecia algo mau, mas não voltou a ser o caso.

Então, a agente Tess Winnett do FBI é assim meio avariada da cabeça, mas eu gostei dela. É um livro extremamente gráfico na forma com são narrados os crimes nele cometidos (atenção a mentes mais frágeis) mas ao mesmo tempo é isso que nos faz prender à trama e não faz ser apenas mais um thriller como tantos outros.

Estamos perante um caso de um assassino em série bastante suis generis com gostos e uma forma de torturar e matar mulheres muito peculiar e que já matou antes da vitima à qual somos introduzidos logo nos primeiros capítulos e quando ele rapta mais uma vitima é tudo uma corrida contra o tempo para ver se a mesma ainda tem hipótese de viver ou não. Tess é descrita como tendo um feitio difícil e complicado, e stress pós traumático, no entanto é meticulosa e determinada em tudo aquilo que faz, até demais. Os colegas não vão muito “à bola” com ela, mas primeiro estranha-se e depois entranha-se.
A história desenvolve-se de forma rápida, sem grandes paragens, sem grandes engodos. Dá vontade de ler.
O final é brilhante. Eu pelo menos achei apesar de já estar com as minhas suspeitas. E vou sem dúvida continuar a ler esta série de Thrillers da Agente Especial Tess Winn que já conta com 7 livros já todos editados em Português pela Alma dos Livros.

Review:

This is the first book I’ve read by this author and I’m starting to like her writing so much. Short and fast as they say. I took it on an emergency trip to the hospital i was full of pain without knowing what was wrong with me, while waiting for my turn. I didn’t pick him up again, fate wanted him to have him in his hand, also in a hospital when I found out that my father had had a stroke. Even though I loved the book, I only picked it up after a while, because it seemed that every time I picked it up, something bad happened, but that wasn’t the case again.

So, FBI agent Tess Winnett is kind of out of her mind, but I liked her. It’s an extremely graphic book in the way the crimes committed in it are narrated (attention to more fragile minds) but at the same time that’s what makes us stick to the plot and doesn’t make it just another thriller like so many others.

We are facing a case of a very unique serial killer with sick tastes and a very peculiar way of torturing and killing women and who has already killed before the victim to which we are introduced in the first chapters and when he kidnaps another victim it’s all a race against time to see if it still has a chance to live or not. Tess is described as having a difficult and complicated disposition, and post-traumatic stress disorder, however she is meticulous and determined in everything she does, even too much. Colleagues don’t go “along ” with her much, but first she gets weird and then she gets in.
The story develops quickly, without major stops, without major deceptions. Makes you want it to read.
The ending is brilliant. At least I found it despite already having my suspicions. And I will definitely continue to read this series of Thrillers by Special Agent Tess Winn that already has 7 books already edited in Portuguese by Alma dos Livros.

A Autora:

Leslie Wolfe é uma escritora norte-americana cujos livros se tornaram bestsellers e cujo trabalho tem sido elogiado pelos leitores e pela crítica, desfrutando de um sucesso e reconhecimento crescentes, com solicitações diversas, incluindo da indústria cinematográfica de Hollywood. Os romances de Leslie quebram o molde dos thrillers tradicionais, surpreendendo pela notável compreensão da natureza humana e pela forma invulgar como retratam os ambientes, as situações e as personagens.
Fascinada por tecnologia e psicologia, Leslie aproveita a sua vasta experiência e pesquisa nessas áreas a fim de fortalecer e adicionar ingredientes extra aos seus livros. Começou a escrever ainda menina; no entanto, adiou as suas aspirações a escritora durante algum tempo para ser empresária. Porém, perante o crescente sucesso como escritora, decidiu abandonar a atividade, refugiar-se em casa, que apelida carinhosamente «cova dos lobos», e dedicar-se a tempo inteiro à sua verdadeira paixão. Leslie Wolfe mora na Florida com o marido, «o Wolfe», e o seu cão.